{ PALAVRA DO BISPO } VIGIAI!


O verbo “vigiar” exprime a exigência de observar atentamente, espreitar com acuidade, estar ligado, antenado, concentrado, focado. Ontem e hoje, no mundo bíblico e no nosso, vigiar é uma tarefa empenhativa, que exige predisposição física, psicológica e intelectual. Em nome da vigilância, nas suas mais diversas formas, o mundo contemporâneo desenvolve uma ampla gama de tecnologia, uma verdadeira indústria, que movimenta anualmente “bilhões de dólares”.

O profeta Isaías fala da precariedade da vida humana usando estas palavras: “Todos nós nos tornamos imundície e todas as nossas boas obras são como um pano sujo; murchamos todos como folhas e nossas maldades empurram-nos como o vento” (Is 64,5). Ao mesmo tempo, o profeta abre uma perspectiva de esperança: “Assim mesmo, Senhor, tu és nosso pai, nós somos barro; tu, nosso oleiro, e nós todos, obra de tuas mãos” (Is 64,7).

No entanto, mesmo sendo precários, fomos salvos em Nosso Senhor Jesus Cristo, aguardamos a sua manifestação plena: “Assim, não tendes falta de nenhum dom, vós que aguardais a revelação do Senhor nosso, Jesus Cristo” (1Cor 1,7). Embora aqui e agora, olhamos para o alto e o futuro, a manifestação gloriosa de Nosso Senhor Jesus Cristo, no fim dos tempos: sabemos com certeza que Ele virá, mas não sabemos quando e nem como. E seremos semelhantes a ele, pois a sua será também a nossa ressurreição.

A exortação à vigilância é feita por Nosso Senhor Jesus Cristo: “Cuidado! Ficai atentos, porque não sabeis quando chegará o momento. (...) Para que não suceda que, vindo de repente, ele vos encontre dormindo. O que vos digo, digo a todos: vigiai” (Mc 13,33.36-37). Diante da manifestação gloriosa dele no fim dos tempos, vigiar é uma necessidade. Vigiamos através da oração, que nasce da leitura orante da Sagrada Escritura, da frequência aos sacramentos, sobretudo a confissão e a eucaristia, experimentando a dimensão comunitária da fé e aplicando-nos no exercício contínuo da caridade.

A vivência da vigilância também nos prepara para o ato de falecer, pois também não sabemos quando e como partiremos do mundo e da história. Neste tempo pandêmico, diante da possibilidade real de um óbito iminente, em grande escala, somos confrontados com a finitude. As imagens e as narrativas dos sepultamentos invadiram o nosso cotidiano sem pedir licença, mesmo assim, nem todos foram tomados pelo justo temor e continuam a viver sem as precauções necessárias, colocando em risco a vida de muitas pessoas.

Diante da beleza e bondade do mundo e da história, dos prazeres mundanos e históricos, apesar de tantas realidades de morte, uma grande parte da humanidade vive como se estivesse inebriada. A insensibilidade diante da morte manifesta-se também na indiferença diante da manifestação gloriosa de Nosso Senhor Jesus Cristo, fruto do desconhecimento, ateísmo e secularismo que assola as sociedades. Este fenômeno explica porque não conseguimos experimentar a realidade da primeira parte do tempo do advento, que quer elevar nossa vida, olhar e coração ao mistério da Parusia de Nosso Senhor Jesus Cristo. A redução do tempo do advento a uma compreensão hedonista e consumista do Natal, não acessível a todos, tem explicação não só sociológica, mas também antropológica, que solapa a teologia, a pastoral e a liturgia. Mais do que nunca, a exortação de Nosso Senhor Jesus Cristo é necessária, ao menos para nós, uma pequena minoria: VIGIAI!

 

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto, SP

Comentários

  1. Dom Tomé, Deus seja louvado! Sou de Três Corações, onde o Senhor foi pároco durante anos. Como fazer pra receber diariamente as belas homilias pelo meu Whatsapp? Deus abençoe poderosamente sua vida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Confira as últimas postagens do site da Diocese de São José do Rio Preto