quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Indulgência do Ano Mariano


A pedido do Eminentíssimo Senhor Cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis, Arcebispo Metropolitano emérito de Aparecida, o Santo Padre o Papa Francisco concedeu indulgência plenária aos fiéis durante o Ano Mariano (cf. Penitenciária Apostólica, Prot. nº 1015/16/1).

O que é a indulgência?
“A indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida pelos pecados já perdoados quanto à culpa, (isto é, pelos quais já obteve a absolvição confessando-se) que o fiel devidamente disposto obtém em certas condições determinadas, pela intervenção da Igreja que, como dispensadora da redenção distribui e aplica por sua autoridade o tesouro das satisfações de Cristo e dos santos” (Paulo VI, Constituição Apostólica Indulgentiarum doctrina, 1967).

Condições habituais
As condições habituais para se obter a indulgência são as seguintes: confissão sacramental (que deve ser individual e íntegra); comunhão eucarística e rezar segundo as intenções do Santo Padre (Exemplo: um Pai Nosso, uma Ave Maria e um Glória ao Pai….).

Condições específicas para o Ano Mariano
Neste Ano Mariano, o Papa Francisco concede indulgência plenária, cumprida as condições habituais, “aos fiéis verdadeiramente penitentes e impulsionados pela caridade, se em forma de peregrinação visitarem a Basílica de Aparecida ou qualquer outra Igreja paroquial no Brasil, dedicada a Nossa Senhora Aparecida, e aí devotamente participarem das celebrações jubilares ou de promoções espirituais ou ao menos, por um conveniente espaço de tempo, elevarem humildes preces a Deus por Maria, a serem concluídas pela Oração Dominical (Pai Nosso), pelo símbolo da Fé (Creio em Deus…) e pelas invocações da Beata Maria Virgem, em favor da fidelidade do Brasil à vocação cristã, impetrando vocações sacerdotais e religiosas e em favor da defesa da família humana” (Penitenciária Apostólica, Prot. nº 1015/16/1).

Igrejas Indulgenciadas na Diocese
Em nossa Diocese, conforme as disposições da Penitenciária Apostólica, as Igrejas indulgenciadas são as seguintes: Basílica Menor de Nossa Senhora da Conceição Aparecida; Matriz de Nossa Senhora Aparecida, no Jardim Maria Lúcia, São José do Rio Preto; Matriz de Nossa Senhora Aparecida, em Nipoã; Matriz de Nossa Senhora Aparecida, em Neves Paulista; Matriz de Nossa Senhora Aparecida, em Nova Aliança; Catedral de São José, em São José do Rio Preto.

Idosos e enfermos
Os devotos fiéis, impedidos pela velhice ou grave doença, poderão igualmente alcançar a indulgência plenária se, assumida a rejeição de todo pecado, e com a intenção de cumprir onde em primeiro lugar for possível as três costumeiras condições, espiritualmente se dedicarem diante de alguma pequena imagem da Virgem Aparecida, as funções ou peregrinações jubilares, ofertando suas preces e dores ao Deus misericordioso por Maria.

Orientação aos Padres
Conforme as disposições da Penitenciária Apostólica, Prot. nº 1015/16/1, os sacerdotes que exercem o ministério (pároco e vigário paroquial) nas paróquias acima citadas, “com ânimo pronto e generoso se ofereçam para a celebração da Penitência e muitas vezes administrarem a Sagrada Comunhão aos enfermos”.

Que Nossa Senhora Aparecida nos ajude a percorrer o caminho da conversão pessoal, experimentando a riqueza da misericórdia divina.

São José do Rio Preto, 22 de fevereiro de 2017.

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto/SP

Prot. 001.17

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Acampamento Missão Guadalupe

O “Acampamento Missão Guadalupe” aconteceu na Fazenda Santa Paulina no Município de Potirendaba com a participação de 97 “campistas”.

Contou com a ajuda de 100 voluntários trabalhando em diversas equipes dentro da fazenda e mais 48 pessoas envolvidas com a Evangelização das famílias destes campistas que estavam fazendo o Acampamento.

Um trabalho maravilhoso que pode ser testemunhado por todos que lá estiveram inclusive contamos com a visita de Dom Tomé que rezou conosco e partilhou um pouco da sua experiência que também viveu com retiros semelhantes a este.


Paulo Faria
Membro da Missão Guadalupe

Campanha Humanitária “12 horas por alguém”


No último sábado, 18, foi realizada no Shopping Center Iguatemi São José do Rio Preto a campanha humanitária “12 horas por alguém”. A atividade é uma promoção do Distrito 4480 do Rotary Internacional em comemoração aos 112 anos da organização não governamental e aos 100 anos da Fundação Rotária.

A campanha tem como objetivo promover as ações desenvolvidas pelo Rotary na região. Como parte das atividades, durante 12 horas, das 10h às 22h, a programação da Rádio Interativa 104,3 FM de Rio Preto foi transmitida diretamente do Iguatemi Rio Preto, em um estúdio montado, em Frente ao Terraço da Figueira, no Piso Superior. Os clientes do shopping puderam acompanhar ao vivo a transmissão.

Na programação da emissora, os integrantes do Rotary Club de São José do Rio Preto falaram sobre as atividades humanitárias desenvolvidas pela organização e entrevistaram autoridades e especialistas sobre saúde, educação e bem-estar. Dom Tomé Ferreira da Silva esteve presente no evento e concedeu entrevista ao rotariano Vilson Donizete Belluco.

Confira: https://youtu.be/l_tXVlaACqE

Abertura Diocesana de Catequese

Represa Municipal. À sombra das árvores, os Catequistas da Diocese de São José do Rio Preto contemplaram e louvaram a Deus por toda a Criação. O Hino da Campanha da Fraternidade, cantado com entusiasmo, chamava a atenção de quem passava pelo local. Acontecia ali a abertura das Atividades Catequéticas em 2017. “Que nós, Catequistas, saibamos assumir a missão a partir daquilo que nos é proposto pelo Evangelho”, indicou a irmã Rosangela Aparecida Fontoura, durante a Oração Inicial.

Logo em seguida, destacando a figura de Maria de Nazaré, as dezenas de voluntários retornaram para a igreja dedicada a Santo Antônio de Lisboa, na Vila Goyos. Durante o trajeto, a imagem de Nossa Senhora Aparecida foi carregada por muitos filhos; todos comprometidos com a vivência do Ano Nacional Mariano. “Maria é a Catequista que intercede por nós junto ao seu Filho”, destacou o Assessor Diocesano da Pastoral Bíblico-Catequética, padre José Eduardo Vitoreti.

FORMAÇÃO
A Campanha da Fraternidade 2017, considerando os Biomas Brasileiros, convida a um novo período de reflexão acerca das questões ambientais e das ameaças à “Casa Comum”. Bastante atual, o tema deverá ser trabalhado com as crianças e adolescentes, de maneira especial, nas Paróquias e Comunidades. “Vocês, Catequistas, são agentes multiplicadores. A Catequese, talvez, seja o ambiente mais adequado e propício para trabalhar essa temática”, destacou o Engenheiro Químico João Adriano Alves, que é membro da Comissão da Campanha da Fraternidade para a Diocese de São José do Rio Preto.

O programa da Abertura Diocesana da Catequese teve a Santa Missa como o seu momento mais destacado. A Eucaristia foi presidida por dom Tomé Ferreira da Silva; que promoveu o envio dos Catequistas.
 
Texto e Fotos: André Botelho

Retiro do Clero: Descansar no colo de Deus

Aconteceu doas dias 13 a 17 de fevereiro no seminário Santo Antônio no Alto da Serra em São Pedro o Retiro Anual do primeiro grupo de padres de nossa diocese de São José do Rio Preto.

O retiro teve como pregador o Bispo diocesano de Barretos Dom Milton Kenan Junior, que trabalhou de forma geral a Parábola do Filho Pródigo. (Lc 15:11-32).

Dom Milton deixou claro que o protagonista do retiro é o Espirito Santo de Deus, que age no coração e na vida de quem se dispõem a ouvir, de quem se dispõem a entra no deserto e ouvir Deus que fala ao coração. A experiência do retiro é o tempo bonito de ouvir a voz de Deus.

O retiro foi dividido em horários de orações, colocações e celebrações, momentos bonitos de fé e de um verdadeiro encontro com Deus. A cada colocação, eram apresentados textos bíblicos que levavam a reflexão e também a oração.

Ao apresentar a parábola do Filho Pródigo Dom Milton levou a cada um a refletir sobre cada personagem refletido, sobre cada atitude, e nas atitudes dos personagens da parábola olhar também as nossas atitudes como presbíteros e pastores do povo de Deus, olhar nossas atitudes como pessoas, como cristãos. Antes de iniciar as reflexões do dia Dom Milton sempre apresentava textos do Santo Padre Francisco, verdadeiras perolas para nossos dias, perolas de misericórdia e de vida que nos ensinam a viver bem o nosso dia paroquial com nosso povo.

O retiro teve seu termino no dia 17 de fevereiro com a celebração da santa Missa e o agradecimento amigo do representante dos presbíteros padre Marcos Figueira a Dom Milton, que por sua vez alegrou o coração de todos nós ao afirmar sua alegria de poder ter estado com cada um de nós que ali estávamos.

Realmente o retiro foi um verdadeiro descansar no Colo de Deus, foi um verdadeiro momento reflexivo e formativo para todos nós, momento de encontro com Deus por meio de sua Palavra, mas principalmente por meio de seu Amor Misericordioso que não se cansa de nós perdoar e amar a cada dia.

“Atrai-me, Senhor! Leva-me ao deserto contigo! Fala ao meu coração! Quero conhecer tua voz e provar da tua intimidade.”

Padre Carlos Eduardo Nascimento
Paróquia Nossa Senhora de Fátima - Monte Aprazível

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Padre Rogério Corrêa faz Mestrado em Direito Canônico em Londrina

Em fevereiro deste ano, padre Rogerio Corrêa iniciou o curso de Mestrado em Direito Canônico em Londrina-PR.

O título de mestre em Direito Canônico é exigência para desempenhar o trabalho de Juiz auditor no Tribunal Eclesiástico Interdiocesano de São José do Rio Preto.

O curso tem a duração de três anos concluindo com a apresentação da dissertação. É vinculado ao Pontifício Instituto Superior de Direito Canônico e reconhecido pela Pontifícia Universidade Gregoriana.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Encontros de Formação da CF 2017 nas regiões pastorais


Aconteceu entre os dias 30 de Janeiro e 10 de Fevereiro os encontros de formação da Campanha da Fraternidade 2017 em nível de regiões, todas as regiões de nossa diocese participaram dos encontros ativamente num total de 1500 pessoas tiveram contato com a temática: “Fraternidade: Biomas Brasileiros e defesa da vida” da CF e com o Lema: “ Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15). Neste ano, o objetivo geral da CF é “Cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho”. Esse ano também foi ministrado um encontro de formação para mais de 650 catequistas de nossa diocese na abertura diocesana da catequese. As formações foram ministradas pela equipe diocesana da Campanha da Fraternidade que é composta por um membro de cada região pastoral, pelo diácono permanente Aristídes, contamos também com a presença de um técnico em questões ambientais, o João Adriano engenheiro da Cetesb de São José do Rio Preto. A dinâmica e apresentação dos encontros seguiu o método Ver, Julgar e Agir, tivemos também a apresentação de um filme sobre a Campanha elaborado pela CNBB (Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil). Como gesto concreto cada paróquia recebeu uma muda de árvore aroeira pimenteira ou Ipê para fazerem o plantio nas paróquias e assim participar de maneira concreta do reflorestamento ambiental. Agradecemos de coração a equipe diocesana pelo profíquo trabalho, a todas as paróquias que participaram enviando seus paroquianos como sinal de unidade diocesana.


Pe. Gerson Carlos Cavalin
Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Carmo e Assessor Diocesano da Campanha da Fraternidade

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Reunião Geral do Clero

No dia 7 de fevereiro houve a reunião de formação do clero da diocese de Rio Preto. Também estava presente nosso bispo dom Tomé e alguns docentes da Unesp. O palestrante do encontro foi o pe Frizzo, da diocese de Guarulhos (SP), responsável do Regional Sul I da CNBB . Deu-nos uma visão geral sobre o livro da Campanha da Fraternidade deste ano de 2017 que tem como tema, “Fraternidade: Biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema: “Cultivar e guardar a criação”. Usou como método: ver, julgar e agir. Tivemos uma visão geral dos nossos biomas, sua degradação e nos iluminou a realidade com certos documentos do Magistério da Igreja, principalmente do papa Francisco: a Carta Encíclica Laudato Si sobre o cuidado da casa comum. Depois a Dra. Maria Tercília docente da Unesp, nos falou da origem da fundação da Universidade em Rio Preto e da preocupação da mesma sobre o tema da CF deste ano. Pôs-se à disposição de nos ajudar com algum docente especialista em alguns temas que vai ao encontro da CF. 
 
No final do encontro, dom Tomé deu sua bênção e nos motivou a levar a discussão da CF nas escolas, nas Câmaras Municipais dos nossos Municípios e nas nossas respectivas comunidades e capelas. E terminamos com um delicioso almoço.

Pe. José Vinci
Paróquia Santa Luzia – São José do Rio Preto/SP

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Federação Mariana tem nova diretoria

A Federação das Congregações Marianas da Diocese de São José do Rio Preto possui uma nova diretoria neste Ano Mariano. Em missa celebrada por Dom Tomé Ferreira da Silva e concelebrada pelo diretor espiritual do movimento, Pe. Aparecido Torrente, no dia 22 de janeiro de 2017 na Sé Catedral de São José, foi empossada a nova diretoria da Federação Mariana. Foram empossados para o biênio 2017/2018 Edmilson Alves como presidente, juntamente com os vices: Andréa Bouhid Luminati e Francisco Garcia Almeida. O presidente eleito, Edmilson Alves, já ocupou este cargo de presidente da Federação Mariana no ano de 2000 e, agora, volta à presidência do movimento.

A Federação Mariana atua junto às congregações marianas nas paróquias e este ano terá um papel muito importante por ser o Ano Mariano. O intuito é estimular a participação e o engajamento dos congregados(as) no Jubileu dos 300 anos de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, difundindo a devoção a Maria Santíssima. Será oportuno também, celebrar os 100 anos das aparições de Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

A Congregação Mariana é um dos movimentos mais antigos da Igreja, portanto, deve ser exemplo diante das comemorações que teremos neste ano tão especial proclamado pelo Papa Francisco.

Marcos Esteves
Federação das Congregações Marianas

A SOBRIEDADE, O SILÊNCIO E A ORAÇÃO: REMÉDIOS EM UMA SOCIEDADE TUMULTUADA.

No Brasil e no mundo, parecemos viver um tempo de desconcerto cultural, social, político, econômico e religioso, um tumulto generalizado, com poucas ilhas de segurança. A precariedade dos valores, a desintegração das sociedades, a ambiguidade dos homens públicos, a desigualdade no acesso aos bens e a instrumentalização do religioso, criam a sensação de confusão generalizada, diante da qual “salve-se quem puder” e como puder, um tempo de poucos fatos e fartos boatos.

No primeiro dia de março, os católicos começam a viver o tempo da quaresma, uma quarentena de dias que os preparam para celebrar e viver o Mistério Pascal de Nosso Senhor Jesus Cristo, fato fundante do cristianismo. Neste tempo, de longa data, na esteira da práxis de Nosso Senhor Jesus Cristo e das Sagradas Escrituras, propõe-se aos fiéis, e às pessoas de boa vontade, a experiência singular da oração, da caridade, do jejum e da penitência.

No Brasil, realiza-se durante a quaresma a Campanha da Fraternidade, uma promoção da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Ela é um precioso auxílio para o Povo de Deus, pois tem contribuído para compreender e promover a dimensão social da fé cristã. Neste ano, o tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”; o lema: “Cultivar e guardar a criação”(Gn 2,15). O objetivo: “Cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho.”

Diante da realidade que vivemos, marcada pelo desconcerto e tumulto, impulsionados pela Quaresma e Campanha da Fraternidade, podemos cultivar como saudável remédio: a sobriedade na vida, a experiência edificante do silêncio e a força restauradora da oração. Diferentemente do restante do ano, o tempo quaresmal é penitencial e com inequívoco apelo à conversão para os católicos, um tempo a ser santificado de modo peculiar, não podendo e não devendo ser vivido ao modo dos outros tempos do ano.

Uma vida sóbria, sem acumulação e desperdício, sem ostentação, com menos produção possível de lixo, é um modo moderno e oportuno de jejuar e de abstinência, que promove a justiça, possibilitando a cada pessoa o acesso ao que precisa ter para viver com decência, contribui para a distribuição equitativa dos bens da criação e produzidos pela humanidade, poderoso auxílio para um desenvolvimento sustentável que cuida e preserva a natureza.

A prática diária e habitual do silêncio, e neste tempo de forma mais prolongada e intensa, é um precioso antídoto para desvincular-se da poluição visual e auditiva, provocada pelo excesso de palavras e imagens, sem compromisso com a verdade e a responsabilidade, repassados como informações pelas mídias, “infinitamente” potencializados pelos novos meios de comunicação vinculados à internet. O silêncio qualitativo ajuda na compreensão, no discernimento e processamento das informações e dos fatos, conduzindo à verdade e trazendo serenidade no julgamento e confiança na ação.

Uma consolidada vida de oração, sistemática e disciplinada, que parte da Sagrada Escritura, dos Sacramentos e dos Sinais dos Tempos, nos permite ocupar nosso “quadrado” no mundo e interagir com ele, iluminados pelo mistério do Reino de Deus e promovendo os seus valores: justiça, paz, mansidão, pureza de coração e misericórdia. Nas atuais circunstâncias, quem não vive de modo orante não guardará a fé e certamente sucumbirá imerso nas mazelas do mundo.

Exorto os fiéis católicos e as pessoas de boa vontade a não banalizarem o tempo da quaresma, mas a vivê-lo adequadamente, de modo penitencial e na busca da conversão, existencialmente voltados para Nosso Senhor Jesus Cristo. Por causa do Divino Salvador, o abandono de comportamentos incompatíveis com a ética e com a moral cristã resultarão em benefício pessoal e em uma sociedade melhor.


+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto/SP

Legião de Maria: 60 anos de presença na Diocese de São José do Rio Preto


Amigos e amigas, neste ano em que celebramos os 100 anos das aparições de Nossa Senhora de Fátima a três humildes Pastorinhos na Cova da Iria em Portugal, e no Brasil celebramos o Ano Mariano pelo encontro há 300 anos da Imagem de Nossa senhora Aparecida por três pescadores nas água do Rio Paraíba do Sul, a Legião de Maria da diocese de São José do Rio Preto celebra seus 60 anos de fundação nestas terras de São José.

A Legião de Maria foi fundada em São José do Rio Preto no dia 09 de fevereiro de 1957, na Basílica de Nossa Senhora Aparecida, grupo esse que existe até os dias de hoje. No dia 05 de fevereiro as 15h00min horas foi celebrada a Santa Missa de ação de graças pelo senhor Bispo Diocesano Dom Tomé Ferreira da Silva, concelebrada pelos Padre Torrente, pároco da Basílica, Padre Cleomar Bessa Vigário paroquial da Basílica, Padre Areovaldo e Padre Carlos Eduardo diretor espiritual da legião de Maria da diocese.

A santa Missa contou com a presença de todos os grupos provindos de varias partes da diocese e que com carinho participaram e colaboraram com a celebração. No inicio da celebração, após a saudação de Dom Tomé, ao som do Hino da legião de Maria, foram trazidos até o presbitério uma grande faixa de acolhida ao senhor bispo, assim com a Imagem de Nossa Senhora, faixas com os nomes dos grupos e flamulas que foram apresentadas a toda comunidade.

Em sua homilia Dom Tomé fez uma bela ligação entre a Palavra de Deus e a Legião de Maria, convidando a todos os membros a serem Sal da terra e Luz do mundo contando sempre com a perene proteção de Nossa Senhora. Lembrou que na assembleia tinha presente uma pessoa que participou da primeira reunião de Legião há 60 anos atrás.

Ao final da celebração ao som do hino dos Trezentos anos de Nossa senhora Aparecida foram apresentados os números alusivos aos 60 anos da legião de Maria assim como cartazes aludindo os “Trezentos Anos de Bênçãos” do encontro milagroso da imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Antes da benção Dom Tomé agradeceu a coordenação diocesana da legião de Maria pelo belo e excelente trabalho realizado assim como apresentou também o novo diretor espiritual da Legião de Maria da diocese que é o Padre Carlos Eduardo da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima de Monte Aprazível.

A Legião de Maria é uma associação de Católicos que, com a aprovação da igreja e sob o poderoso comando de Maria Imaculada, Medianeira de todas as graças ( formosa como a lua, brilhante como o sol e, para satanás e seus adeptos , terrível como um exército em ordem de batalha) , se constituíram em Legião para servir na guerra perpetuamente travada pela Igreja contra o mal que existe no mundo.

Que Nossa Senhora Mãe de Misericórdia e Mãe Legionária abençoe e guarde todos os Legionários e Legionárias de nossa Diocese de São José do Rio Preto.


Padre Carlos Eduardo Nascimento
Diretor Espiritual da legião de Maria da Diocese de São José do Rio Preto.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Missa Diocesana da Pastoral da Sobriedade


Toda a última quinta-feira do mês celebramos a missa diocesana da Pastoral da Sobriedade em uma paróquia ou capela que tem a pastoral ou deseja ter. Fazem presença, lideranças de várias comunidade e paróquias, proporcionando um momento de encontro, partilha, unidade, confraternização e fé.

Agradecemos a comunidade Nossa Senhora de Fátima e ao pároco Pe. Vanderlei que nos acolheu com muita generosidade. A próxima missa será no dia 23/02/2017, na paroquia Imaculada Conceição, no Parque Estoril em São José do Rio Preto.

A Pastoral da Sobriedade é a ação concreta da Igreja na prevenção e recuperação da dependência química.

Texto: Pe. Ernesto Pedro Rosa | Assessor Diocesano da Pastoral da Sobriedade
Foto: Marcos Freitas | Pascom Diocesana

Formação sobre o DOCAT reúne jovens na Catedral São José


O livro DOCAT – Como agir? foi tema de mais um evento promovido pela PAULUS Editora. Durante os dias 31 de janeiro, 1º e 2 de fevereiro, a PAULUS Livraria de São José do Rio Preto promoveu o curso sobre a Doutrina Social da Igreja. Os encontros aconteceram na Catedral de São José e contaram com a participação de cerca de 100 pessoas.O público presente era composto principalmente por lideranças de grupos e comunidades da diocese. No decorrer da formação foram debatidos diversos temas abordados pelo livro, como meio ambiente, Igreja e sociedade, família e o bem comum. O facilitador Pe. Rafael Dalben Ferrarez, assessor diocesano do Setor Juventude da região, propôs aos jovens que trabalhassem em seus grupos um tópico por mês e incentivou que os jovens colocassem em prática a doutrina da Igreja.

Fonte: www.paulus.com.br

Dom Tomé visita a Comunidade dos Machados

O mês de férias, janeiro, já passava da metade, quando no dia 21, ao cair da tarde, nossa comunidade da Capela dos Machados, com muita alegria recebeu a visita pastoral do nosso querido Bispo Diocesano Dom Tomé.

Ele veio para encontrar-se com as ovelhas, celebrar a Santa Missa e exortar a todos para perseverarem no caminho do bem, da paz, do amor e da fé incondicional em Nosso Senhor Jesus Cristo.

Falou sobre a necessidade da conversão pessoal, e de como é difícil perseverar neste processo que exige constância, fidelidade e força de vontade sobretudo, além da graça de Deus.

Os tempos atuais exigem dos cristãos um testemunho claro e convincente da fé que professam. A luz de Cristo deve brilhar e resplandecer, através de nossa vida coerente, para que outros vejam e glorifiquem “o Pai que está no Céu”.

E foi numa celebração plena de amor, fé e emoção dos presentes, que não escondiam a alegria, que nossa comunidade se viu presenteada com a visita de Dom Tomé.

E neste contexto de paz e unidade Dom Tomé também inaugurou, deu a bênção na casa paroquial remodelada e adequada às exigências da Capela. Todinha pintada e mobiliada ficou bonita e pronta para ser usada. E Dom Tomé mesmo prometeu à Comunidade que irá passar uns dias lá! Com muita alegria a Comunidade acolheu a promessa!

Preparam também uma festinha para a ocasião com sucos, frutas, bolos, salgados e não podia faltar o café.

Tudo muito bem preparado com amor e carinho pela Comunidade. Foi uma bênção e grande alegria para todos esta visita que marcou o coração dos presentes e os alentou na caminhada.

Com um sorriso solar no rosto de todos, visível o tempo todo, nossa comunidade acolheu, guardou e agradece Dom Tomé pelo carinho, presença paterna e sinal de Deus, abençoando o ano que começava.

Volte sempre! Foram as últimas palavras que o Pastor ouviu!

Padre Rivaldo Celson Alves
Paróquia Sagrada Família e Santos Reis – José Bonifácio

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Retiro dos Seminaristas


Dos dias 26 a 28 de janeiro, nós, seminaristas da diocese de São José do Rio Preto, do Seminário Maior Sagrado Coração de Jesus e do Seminário Propedêutico Nossa Senhora Rainha da Paz, vivenciamos o retiro anual no Seminário Franciscano Santo Antônio, na cidade de Agudos–SP, sob a orientação do Padre Vladimir Hergent, da diocese de Limeira–SP.

Durante esses dias tivemos vários momentos de reflexão e oração íntima com Deus, além das missas, liturgia das horas, oração do santo Terço em caminhada e momentos de espiritualidade em comum. O padre Vladimir falou de diversos temas relacionados à vida de seminário e à espiritualidade cristã.

Refletimos sobre a vida de oração e as suas facilidades e dificuldades; o sentimento de medo de “ir além” e de fazer a vontade de Deus; o caminho de formação no seminário e da vida presbiteral que exige de nós abertura para uma conversão diária; o pecado, enfatizando os pecados capitais, que estão intimamente ligados entre si e que nos leva a outros pecados; a experiência com a misericórdia de Deus e o chamado de sermos misericordiosos com os irmãos.

Foram, portanto, dias de profunda reflexão pessoal e oração, nos quais pudemos nos reabastecer espiritualmente para dar início a mais um ano formativo e acadêmico.

Carlos César Ciol – 4° ano de teologia | Seminário Maior Diocesano Sagrado Coração de Jesus