segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Dedicação da Igreja Matriz da Paróquia São João Batista de Onda Verde


 
A reforma geral da Igreja Matriz da Paróquia São João Batista de Onda Verde, que ocorreu de janeiro de 2015 a abril de 2016, requereu a celebração de um rito solene, no qual se implorou a bênção de Deus para que esse lugar edificado com pedras fosse sinal visível para os fiéis de uma casa de adoração ao Senhor.

Após uma revisão do livro do tombo, teve-se conhecimento de que a paróquia ainda não havia celebrado o rito, mesmo depois de 48 anos de criação canônica.

Foi então, que no dia 27 de novembro de 2016, domingo, na Missa das 19:00, nosso Bispo Diocesano, Dom Tomé Ferreira da Silva, presidiu o rito de Dedicação de nossa Igreja Matriz, com a participação de autoridades e de centenas de fiéis ondaverdenses, que colaboraram com afinco e profícuo carinho para que se realizasse esse momento histórico do Município de Onda Verde.

O ritual de Dedicação de um templo é bastante antigo e remete a costumes do período anterior ao cristianismo. A Sagrada Escritura narra que Salomão, por ordem de Deus, consagrou solenemente o templo de Jerusalém. Para a Igreja Católica, sagrar uma construção é algo muito sério, destinado a poucas edificações, e que merece atenção não apenas no dia da cerimônia. A comunidade, tem o dever de celebrar, todos os anos, o aniversário de sagração de sua igreja, cuja solenidade possibilita aos fiéis ficarem mais enriquecidos na fé.

O ritual de sagração é realizado pelo Bispo Diocesano, o altar deve ser de pedra, em geral de mármore ou granito, que depois de sagrado não poderá mais ser removido ou demolido. Nas paredes do templo são afixadas doze pedras em forma de cruz e simbolizam os doze apóstolos, colunas mestras de nossa Igreja. Sob estas pedras doze candelabros, cujas velas devem ser acesas no dia do aniversário de sagração. As velas acesas lembram que nós também somos pedras vivas, e que, assim como o tempo passa e os anos contados aumentam, nossa fé também aumenta.

Durante a sagração, o altar e cada uma das doze pedras são ungidas com o óleo do Crisma. O Santo Crisma recorda a vinda do Espírito Santo que penetra as pessoas como o óleo, impregna a cada uma delas que o toca. Ele faz com que pessoas sejam ungidas com a unção real, sacerdotal e profética de Jesus Cristo.

Entrega das chaves da Igreja
A cerimônia tem início do lado de fora da igreja e o Pároco entrega ao Bispo as chaves para que possa abrir o templo à comunidade. Em pé, diante da porta da Igreja, o Bispo diz: Que sejam abertas as portas. A porta é aberta. O Bispo, com o báculo, marca o umbral com o sinal da cruz dizendo: Paz seja nesta casa e a todos os que entram nela. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém. Em procissão entra-se na igreja.

Benção da água e aspersão
A água é abençoada e aspergida sobre o altar, a cátedra (sede) e as paredes do templo a fim de purificá-los, bem como nos fiéis ali presentes em sinal de penitência e em lembrança do Batismo.

As Santas relíquias
O costume de colocar relíquias de santos sob o altar originou-se nos primeiros séculos da Igreja, nos espaços limitados e recônditos das Catacumbas, onde se tornou habitual celebrar a Missa sobre a pedra tumular de um mártir. Na Igreja Matriz de Onda Verde foram depositadas sob o altar as relíquias de três santos e de dois beatos: Santa Teresinha do Menino Jesus (primeiro grau), Santo Antônio de Sant’Anna Galvão (primeiro grau), São João Paulo II (segundo grau), Beata Madre Assunta Marchetti (primeiro grau) e Beato Padre Mariano de la Mata (segundo grau).

O altar e os doze cruzes de pedra
Após a prece de Dedicação, o altar é ungido, nos quatro ângulos e no centro, são traçadas cruzes, com o santo crisma, que simbolizam as cinco Chagas do próprio Cristo. Em seguida a unção do altar, são ungidas as cruzes nas paredes da igreja, no caso de Onda Verde, são doze.

Incensação do altar e da igreja
Depois do rito da unção, colocou-se sobre o altar um fogareiro para queimar o incenso, sinal de que o sacrifício de Cristo, perpetuado aqui sacramentalmente, sobe até Deus como suave aroma, junto com as orações dos fiéis.

Em seguida, o celebrante incensa o próprio altar, e percorre-se então a igreja incensando o recinto e os fiéis.

Iluminação do altar e da igreja
Procede-se, então, a iluminação festiva da igreja, pois Cristo é a Luz que ilumina as nações. Todas as velas e os doze candelabros, colocados no lugar das unções, são acesos em sinal de alegria. Estes doze candelabros, simbolizam uma vez mais os Apóstolos, que pela Fé no Crucificado iluminaram o Universo, o instruíram e o inflamaram de amor.

Enfim, com uma linda festa, a comunidade paroquial de Onda Verde continua caminhando com fervor e alegria agora com a missão de deixar transparecer a beleza externa da igreja templo nos atos de evangelização da Igreja povo de Deus, assembleia dos chamados e escolhidos.

Pe. Alexandre Ferreira dos Santos - Pároco da Paróquia São João Batista | Onda Verde – SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário