quinta-feira, 30 de junho de 2016

Comunidade São Pedro de Nova Luzitânia celebra o padroeiro

Nesta ocasião queremos agradecer as famílias de Sebastião Pedro da Silva, Cassiano Moreira da Silva e João Batista Moreira que há muitos anos doaram terras para a construção da primeira capela de São Pedro, erguendo um cruzeiro, o marco inicial do surgimento do município de Nova Luzitânia e local de celebração da primeira missa.

Agradecemos ao padre cônego Domingos, da paróquia de Nhandeara, que por inúmeras vezes celebrou nossas missas mensais com a presença de famílias que, na maioria, a pé ou de carroça se esforçavam para não perder seus ensinamentos, ajudando nossa comunidade nos primeiros passos da vida religiosa.

Aos padres Airton Annuar Ibraim e Premyslaw Kawas, da paróquia São João Batista de Gastão Vidigal, agradecemos a dedicação e o esforço para o nosso crescimento, iniciando com os grupos “Congregação Mariana”, “Filhas de Maria” e “Apostolado da Oração” um trabalho de evangelização de nossos jovens e adultos.

Também nos lembramos com grande consideração de todos que com coragem presidiram essa capela juntamente aos então “festeiros”, realizando leilões de prendas, doada pelas famílias católicas, para comemoração do dia do padroeiro, o que possibilitou construir e mais tarde ampliar nossa igreja, criando as condições necessárias para que atingíssemos o nível de “Quase Paróquia”.

Agradecemos aos padres Helder Tadeu Almeida e Genildo Neves dos Reis que assumiram e administraram de nossa quase paróquia, além da capela de Lourdes,  comunidade essa que muito contribuiu para um trabalho de parceria e desenvolvimento mútuo. Essas boas sementes evoluíram para a criação de muitas pastorais e movimentos que com as graças de Deus tem crescido e se transformado.

Agradecemos a todos os padres administradores que por aqui passaram (Alceu, Helder, Thiago, Genildo, Alexandre, Rubens). Mas um deles com seu jeito firme de homem sertanejo nos fez perceber que a união faz a força e nos estimulou a reformar a paróquia dando a ela e a nossa comunidade um aspecto moderno e acolhedor. Obrigado padre Vicente.

Atualmente estamos sendo agraciados por Deus com a presença do padre Silvio que nos cativou com seu carisma e simplicidade, chegando a receber em nossas celebrações mais de 28 cidades da região. Obrigado Padre Silvio pela dedicação e trabalho incansável de evangelização tão bem desenvolvido, tornando alguns dos nossos movimentos e pastorais uma referência diocesana, trabalho esse reconhecido inclusive pelos irmãos de outras denominações. Obrigado por ser nosso pastor, atento, discreto e acolhedor no trato com aqueles que, pelo reflexo do seu trabalho estão voltando para a igreja, como filho pródigo à casa do pai misericordioso.

Obrigado por influenciar positivamente na conquista de novos colaboradores que com humildade estão assumindo seu papel na missão evangelizadora da igreja. A frente deste rebanho jamais desanimou ou reclamou das nossas faltas e esperamos contar com a sua presença em nosso meio por mais alguns anos.

Aproveitamos a oportunidade para agradecer a todos os bispos que passaram pela nossa diocese, pelo apoio e suporte em momentos burocráticos, festivos ou de formação.

Por fim, mas não por último agradecemos a toda a comunidade católica de Nova Luzitânia que sempre atenderam as solicitações da Igreja e com muita fé e participação ativa nos eventos e celebrações da paróquia, demonstram uma adesão pessoal a Jesus Cristo e aos irmãos.

Obrigado a todos os movimentos e pastorais que se ramificam por toda a cidade levando, de diferentes formas, seu testemunho de fé.

Obrigado a todos que celebram conosco neste dia tão festivo, obrigado as autoridades políticas, militares e eclesiais. Obrigado a Dom Tomé que presidiu esta celebração e a Deus nosso pai e criador.



terça-feira, 28 de junho de 2016

A CENTENÁRIA "VILA CARVALHO"

Segundo o desígnio de Deus, cada um deve colaborar, assumindo o próprio papel, na edificação de uma sociedade Fraterna, Solidária e Justa.

Nos anos de 1920, antes mesmo da criação da Diocese de São José do Rio Preto, foi doado, ao então Bispado de São Carlos, uma gleba de aproximadamente onze alqueires, pela família Carvalho. Era costume na época que grandes latifundiários doassem pequenas porções de terra para que os “foros” (como um aluguel pela cessão de uso das terras) possibilitassem a construção e a manutenção de uma capela e em torno dela nascesse um vilarejo.

Em alguns locais, houve a implementação do aforamento de fato e de direito, em outros locais, como a Vila Carvalho, não. Pois, a mesma possuía características próprias, se distinguindo como um lugar de passagem, por ser apenas um dos pontos de parada da histórica Estrada “Boiadeira”. Assim, com o tempo, caiu em desuso a primitiva taxa que os ocupantes deveriam pagar à Igreja, a qual também nunca cobrou.

Passado-se os anos, criou-se, assim, uma situação na qual a Igreja já não tinha mais a posse da terra e não conseguia regularizar a concessão das Escrituras aos habitantes que ali residiam e, nem eles, sem que provocassem a justiça, não teriam essa posse definitiva.

A regularização da Vila Carvalho, as “Terras de são João Batista” sempre foi nosso maior desejo, como Igreja. O tempo passou e muitas fórmulas, sem sucesso, buscaram a solução definitiva.
No Ano Santo de 2000, a Diocese, vendo-se ansiosa por resolver o problema, incentivou que os habitantes fizessem uma ação de Usucapião, o que não aconteceu definitivamente, pois não houve, por motivos variados, a propositura dessas ações pela maior parte dos moradores.

O reconhecido esforço do Padre Gilmar Margotto, dos Bispos Dom Orani, Dom Paulo e da equipe jurídica da Cúria Diocesana, remontam um amplo trabalho em busca de uma solução definitiva para a localidade.

Quando da minha posse como Pároco, em 2011, tomando ciência dos fatos e continuei essa incansável busca junto aos departamentos jurídicos da Prefeitura e da Diocese. Encontrei modelos de jurisprudência para regularização de loteamentos irregulares, mas não era o nosso caso.

Solidário a angústia dos meus paroquianos que lá habitam e de todos os que, como eu, ficam indignados com essa situação. Abarcando o total apoio do Poder Público Municipal, especialmente na pessoa do Prefeito Juninho Marão, pois, ambos, Igreja e Prefeitura, tínhamos interesse, urgente, em resolver esse fato que remonta mais de 95 anos de história.

Especialmente, para que a Prefeitura pudesse investir na infraestrutura, urgente e necessária, da Vila Carvalho, as terras de lá, não podiam continuar “sem dono” de direito.

Viajei a Sorocaba para buscar outro padrão de solução, mas com o tempo ele se mostrou juridicamente frágil. Contudo, depois do início de 2013, foi retomado. Este, consistiria no que hoje celebramos:  desapropriação ad corpus e regularização fundiária, por parte do poder público local.

Assim, a Igreja, a Prefeitura Municipal e os representantes do Cartório de Registros, com anuência da Câmara de Vereadores, fizemos a entrega de 42 Escrituras definitivas de posse, ao primeiro lote de proprietários, que hoje recebem o título de nossos concidadãos votuporanguenses, moradores de verdade de nossa amada cidade.

Parabéns, povo de Votuporanga, pela conquista!

Pe Marcio Tadeu Reiberti Alves de Camargo
Pároco da Paróquia Senhor Bom Jesus das Paineiras

 


segunda-feira, 27 de junho de 2016

MISSÃO RAINHA DA PAZ

 No dia 25 de junho de 2016, foi comemorado 14 anos da missão Rainha da Paz, com uma missa celebrada por nosso bispo diocesano Dom Tomé, que sempre como um bom pastor e pai acolhe com presteza e amor o seu rebanho, nos auxilia espiritualmente com seu amor fraterno, veio celebrar conosco.

A Missão Rainha da Paz tem o carisma do estudo e leitura da palavra de Deus e oração pelas famílias. Nossa principal meta é amar o nosso Deus e o nosso próximo e resgatar pessoas e famílias para Deus e para a Igreja Católica, mostrando a Palavra do Senhor para cada uma delas e dizer como é grande o amor de Deus por cada um de nós.


Fernando Grupillo
Fundador e Servo da Missão Rainha da Paz.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

PORTA SANTA NO SANTUÁRIO DA VIDA

A cerimônia de abertura da Porta Santa da Misericórdia no Santuário da Vida seguiu a bula fixada pelo Papa Francisco. O Bispo de São José do Rio Preto, Dom Tomé Ferreira da Silva abriu a Porta Santa e convidou todos os fiéis presentes a entender o lema do Ano Jubilar - "Misericordiosos como o Pai".

A Santa Missa teve as presenças de dom Paulos Mendes Peixoto, Arcebispo de Uberaba, Dom Octacílio da Silva, bispo de Catanduva, dom Milton Kenan, bispo de Barretos e dom José Reginaldo, bispo de Jales. Um elenco de padres de diferentes dioceses concelebraram a Santa Missa. A celebração foi concluída com o Credo, Salve Rainha e o Pai Nosso, sendo concedidas as indulgências previstas no documento do Vaticano. 
 
A imagem de Nossa Senhora de Fátima, padroeira da RedeVida foi exaltada como intercessora zeloza de todas as graças do Canal da Família.

Fonte: RedeVida de Televisão-20/06/2016
http://redevida.com.br/programa/jctv/porta-santa-da-misericordia-e-aberta-no-santuario-da-vida.html
 
Fotos: Maurício Martins

segunda-feira, 20 de junho de 2016

No dia 17 de junho, na Igreja Matriz de Santa Terezinha do Menino Jesus, em Orindiúva, a comunidade paroquial e a região pastoral de Icém receberam, pelas mãos do Excelentíssimo Bispo Dom Tomé Ferreira da Silva, a Relíquia de Santa Terezinha do Menino Jesus em Celebração Eucarística concelebrada pelos Reverendíssimos Padres, Andrés Gonzalez Mejia, Pároco anfitrião, José Aparecido Martelo, da cidade de Palestina, Carlos, da cidade de Altair, Sebastião França, da cidade de Icém, Brito, da cidade de Paulo de Faria, o seminarista e representantes das Paróquias de Onda Verde e Nova Granada.

Durante a celebração, houve a “entronização da Relíquia”, munida de documento comprovatório de autenticidade, cujo texto escrito em Latim confirmam sua originalidade e descreve a forma e as caraterísticas da relíquia do corpo da Santa, assinado pelo Excelentíssimo Frei Romanus Gambalunga, Postulador Geral do Carmelo Teresiano.

A alegria e a santidade, como perfume de rosas, se espalhavam na nave da Igreja, repleta de fiéis, que estavam na expetativa de receberem o tão belo presente “dos Céus”, pelas mãos do nosso querido bispo diocesano. A relíquia permanecerá para sempre em nossa Paróquia como fonte de estímulo para os paroquianos trilharem o “pequeno caminho, a pequena via”, tal como vivenciado por Santa Terezinha em seu seguimento a Jesus.

Padre Andres Mejia
Paróquia Santa Terezinha do Menino Jesus - Orindiúva



 

segunda-feira, 13 de junho de 2016

MEIO ANO DO JUBILEU EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA.

Em 08 de dezembro de 2015, o Santo Padre o Papa Francisco iniciou, em Roma, na Basílica de São Pedro, o Jubileu Extraordinário da Misericórdia, que será encerrado no dia 20 de novembro do ano em curso. Assim, estamos praticamente no meio deste tempo especial de conversão à misericórdia de Deus.

Deus, Pai misericordioso, está de prontidão para, em Cristo, o rosto da misericórdia, acolher-nos, pobres pecadores. De que adianta a misericórdia divina, se a pessoa humana não tem consciência dos seus pecados, deles não se arrepende e não se dispõe a fazer o caminho da conversão? 

O rei Davi (cf 2Sm 11-12), em certo momento de sua vida, precisou da incisiva admoestação do Profeta Natã, para tomar consciência dos seus pecados, adultério com Betsabeia e morte de Urias. Ferido pela palavra audaciosa do profeta, que falou em nome de Deus, Davi reconheceu seus pecados, impôs-se grave penitência e mostrou sua contrição e desejo de vida nova.

Somos pecadores convertidos, pecadores em conversão, santificados por Deus no Batismo, pela fé em Nosso Senhor Jesus Cristo, glorificado pela Cruz e Ressurreição, procurando responder a este dom sobrenatural por uma vida de retidão moral, sempre caindo e levantando, no drama da vida cristã, enquanto nos encontramos nesta existência dramática no mundo e na história, no dilema do “já” e do “ainda não”. Nesta condição, somos profetas, como Natã. 

Muitos pecadores, vítimas da ignorância, total ou parcial, de Nosso Senhor Jesus Cristo e do seu Evangelho de Salvação, esperam nossa intervenção testemunhal, pela vida e pela palavra, para que a fé seja despertada em suas vidas e possam então e também conhecer, amar e seguir o Divino Salvador.

Há uma tentação de não querermos enxergar, ou de ignorar, ou de nada fazer diante do pecador ou pecadora, ainda escravizados, que convivem conosco. Às vezes, achamos que cada um é “dono de sua vida”, por isso pode fazer o que quer e como quer. Tentação ainda pior e mais deletéria é aquela de não mais reconhecer a natureza do pecado, achar que ele não existe e que tudo é permitido. Por amor, não podemos abandonar os pecadores. 

Para que a misericórdia divina, doada a  nós através da obra salvífica de Nosso Senhor Jesus Cristo, chegue a todos os pecadores, precisamos agir como o Profeta Natã: partindo da Palavra de Deus, que instrui, mas também corrige e regenera, com a força e eficácia que lhe são próprias, chamá-los à consciência dos seus erros, ao arrependimento, a fazer o caminho de volta para Deus, Pai Misericordioso, através do conhecimento, do amor e seguimento ao Divino Mestre.

Não devemos permanecer insensíveis e inertes diante dos pecadores inveterados, não podemos deixá-los escravos do mal, abandoná-los à perdição no tempo e correndo o risco da danação eterna. Temos cinco meses, neste “Ano da Misericórdia”, para vivermos como profetas da misericórdia, indo ao encontro dos pecadores para conduzi-los à Nosso Senhor Jesus Cristo, o rosto da misericórdia de Deus.

Na missão junto aos pecadores, não estamos sozinhos, mas caminha e age adiante, nos assiste, nos fortalece e ampara a  pessoa do Divino Espírito Santo. Por isso, não precisamos temer, mas confiar e seguir adiante.

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto/SP

quarta-feira, 8 de junho de 2016

79ª Assembleia do regional Sul 1 da CNBB em Aparecida

Dom Tomé, padre Leonildo e padre Natalício, participam da 79ª Assembleia do regional Sul 1 da CNBB em Aparecida.

Neste ano, o tema central das reflexões é a Exortação Apostólica do Papa Francisco Amoris Laetitia, no contexto da Misericórdia e da Missão.
 
 
 
 

segunda-feira, 6 de junho de 2016

CONCENTRAÇÃO DIOCESANA DO APOSTOLADO DA ORAÇÃO

Aconteceu em cinco de junho, na Catedral de São José do Rio Preto, a Concentração Diocesana do Apostolado da Oração, em que quase todas as paróquias se fizeram representar. Foi um momento indizível, desde a chegada dos membros que seguiam em cortejo empunhando com alegria a sua bandeira e com fitas no peito dando um colorido todo especial ao dia.

Após o café fizemos uma bela procissão rumo ao interior da nossa bela catedral, com o ardente desejo de passar pela Porta Santa da Misericórdia que é o próprio "Sagrado Coração de Jesus, Fonte Inesgotável de Misericórdia", sendo este o tema proposto para a reflexão-palestra do Ano Santo proferida pelo querido Padre Hallison Parro, vigário da catedral.

Durante o evento a entrada das Bandeiras conduzidas pelos (as) presidentes e vices, colocando-as em vasos dispostos no presbitério deu um colorido de beleza e de muita elegância ao momento. Rezamos todos juntos a oração do Terço da Misericórdia orientado pelos seminaristas Mateus e Carlos Ciol.

Nosso querido pastor diocesano Dom Tomé Ferreira da Silva presidiu a Celebração Eucarística. Estiveram presentes o padre Jeova Bezerra da Silva, assessor diocesano do AO, o padre Deusdet, cura da catedral, do padre Hallison e o padre Amauri, de Talhado.

Em sua mensagem Dom Tomé enfatizou três grandes pedidos ao movimento: rezar pela Igreja, pela conversão dos pecadores e pela paz no mundo. Orientou para que assinássemos a revista "o mensageiro" contendo o boletim mensal, também pediu que focássemos a atenção para convidar outras pessoas para ingressar neste renomado movimento da Igreja. Em seguida, ele acolheu e saudou cada paróquia e até mesmo as que não enviaram membros e as que ainda não possuem o movimento.

Houve uma reunião com as presidentes e vices solicitando que os membros do AO se tornem madrinhas e padrinhos de oração dos nossos seminaristas para também acompanhá-los com palavras de incentivo no seu caminho de discernimento vocacional até mesmo escrevendo-lhes cartas dirigidas através dos dois seminários.

No período da tarde tivemos a presença e a mensagem do estimado Padre Leonildo, ex-assessor, tendo sido sucedido por mim. Em seguida a mensagem do Padre Hallison a todas as pessoas ali presentes.

Agradecemos a presença dos jovens da paróquia Santo Antônio de Pádua, cidade Norte: FANUEL que cantou na missa e do JUCRISA que ficou do começo ao fim dando suporte e logística ao encontro.

Encerramos o encontro com a benção do Santíssimo Sacramento, onde o Cura da Catedral padre Deusdet, presidiu a oração que emocionou a todos.

Padre Jeová Bezerra da Silva - Assessor do Apostolado da Oração.

FESTA DO CORAÇÃO IMACULADO DE MARIA

No último dia 04 de junho, sábado, celebramos a festa do Coração Imaculado de Maria, padroeira de nossa diocese.

A capela da Catedral foi pequena para acolher os vários fiéis que vieram para a solene celebração eucarística presidida pelo nosso bispo diocesano Dom Tomé e concelebrada por vários padres que nos alegraram por estarem presentes. Destaco também a presença de religiosos, religiosas e representantes de movimentos diocesanos e novas comunidades.

Em sua homilia cheia de unção, Dom Tomé falou da importância da pureza do coração, a exemplo da pessoa de Nossa Senhora, que tem um coração puríssimo: “Felizes os puros de coração porque verão a Deus” (Mt 5,8).

O Coração de Maria é a pessoa toda da Virgem; traduz todos os sentimentos da Mãe do Senhor. “O Coração de Maria é seu amor; seu Coração é o centro do seu amor a Deus e aos homens” dizia Santo Antônio Maria Claret. É o centro porque o Cristo é o centro da nossa vida e toda a nossa redenção se consuma nesse grande mistério. Maria é a mãe do Ressuscitado, portanto, seu coração também ressuscitou com o Cristo e fez germinar na humanidade uma nova semente de esperança. Celebrar o Coração Imaculado de Maria é transportar-se para o Coração de Deus e lá fazer morada.

Que a festa da padroeira de nossa diocese desperte nos lares e nas famílias de todo o território diocesano um profundo amor a Jesus através do Coração de Nossa Senhora. Que consagrem as casas e as comunidades ao Coração de Maria e “vejam sempre a glória do Senhor da vida brilhar”.

Obrigado a todos! Paz e Bem!

Pe. Deusdet Zanfolim
Cura da Sé Catedral de São José.

TERÇO NA RESIDÊNCIA EPISCOPAL

No dia 04 de junho, celebrou-se a memória litúrgica do “Coração Imaculado de Maria”, Padroeiro da Diocese de São José do Rio Preto. Dom Tomé, juntamente com as Equipes de Nossa Senhora e diocesanos de várias Paróquias e comunidades de nossa Diocese, comemoraram a data meditando o Santo Terço, na Residência Episcopal às 15 horas.

O Santo Terço foi um grande momento de unidade diocesana, rezando nas intenções do Santo Padre, o Papa Francisco, também por toda nossa Diocese, Pastorais e Movimentos.

Agradecemos a todos que acolheram o convite e vieram rezar pedindo o auxílio e proteção de Nossa Senhora, Mãe de Deus e nossa.

“Coração Imaculado de Maria, seja nosso auxílio e proteção”.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

DECRETO

“FELIZES OS MISERICORDIOSOS, PORQUE ENCONTRARÃO MISERICÓRDIA” (Mt 5,7).

Neste ano do “Jubileu Extraordinário da Misericórdia”, para a glória de Deus e o bem do seu Povo, a Igreja, seguindo as orientações do Santo Padre, o Papa Francisco, na Bula “Misericordiae Vultus”, a Diocese de São José do Rio Preto, SP, atendendo solicitação dos fiéis e da Televisão Independente de São José do Rio Preto, autoriza a abertura de uma “Porta Santa” no Santuário da Vida, nesta cidade.

O acesso à Porta Santa estará disponível na primeira quarta-feira de cada mês, com confissões a partir das 16h00; celebração da Santa Missa e as orações prescritas para a obtenção das indulgências as 19h00, transmitidas pela Rede Vida de Televisão.

A Porta Santa será aberta no dia 20 de junho e fechada no dia 02 de novembro do ano em curso, seguindo o ritual e as orientações, definidas para estas ocasiões, pela Santa Sé.

Oxalá, a Porta Santa, no Santuário da Vida, possa contribuir para a realização do desejo de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Sejam misericordiosos, como o Pai de vocês é misericordioso” (Mt 6,36).

Que Nossa Senhora, Mãe da Misericórdia, nos ajude “neste Ano Santo a redescobrir a alegria da ternura de Deus.”

Dado e passado na Cúria Diocesana “Coração Imaculado de Maria”, na cidade de São José do Rio Preto/SP, aos 03 de junho de 2016, na Solenidade do Sagrado Coração de Jesus.

+ Dom Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto/SP.

Padre Júlio César Sanches Lázaro
Chanceler da Diocese
                                                                                                                                  Prot. 001.16