Os Cristãos de Mossul.

O mês de julho foi dramático para o mundo, com desafios no futebol,  na política internacional e na vida dos cristãos no Iraque. Alguns fatos são bastante focados pelos meios de comunicação, enquanto outros não são evidenciados como deveriam: Síria, Faixa de Gaza, Líbia, Sudão, República Centro-Africana, Ucrânia, Israel e Iraque, entre outros.

A perseguição aos cristãos, muitas vezes levados à morte violenta, não é um fato novo, faz parte da história do cristianismo, desde as suas origens, já preconizado por Nosso Senhor Jesus Cristo nos evangelhos. Os Apóstolos e os primeiros cristãos experimentaram o ódio humano à fé no Divino Salvador.

Nos dias atuais, falta liberdade religiosa aos cristãos em muitos países do Oriente Médio, da África e da Ásia. Embora sem visibilidade nos grandes meios de comunicação, diariamente cristãos são obrigados a ocultar a sua fé, são perseguidos e levados à morte violenta. Há um silêncio, ou quase silêncio, das mídias, dos governos e de organismos internacionais sobre a intolerância com os cristãos.

Após a queda de Saddam Hussein, os cristãos no Iraque, mais de um milhão de fiéis, ficaram ainda mais desprotegidos, centenas foram mortos e milhares seguiram para o exílio. Neste mês de julho, os cristãos de Mossul, no Iraque, cidade controlada pelo ISIL, Estado Islâmico no Iraque e no Levante, foram colocados diante de algumas alternativas: deixar o Iraque, converter ao islamismo, pagar um imposto especial ou morrer pela espada.

Muitos dos cristãos que fugiram de Mossul encontraram refúgio na cidade de Qaraqosh, localidade com muitos curdos e cristãos. Qual o futuro dos cristãos que permanecem no Iraque? Quem falará por eles ao mundo? Quem os defenderá? Como garantir a liberdade religiosa em todos os lugares e para todas as pessoas?

O governo brasileiro, um País majoritariamente cristão, poderia e deveria intervir ante os governos da Europa e da América do Norte, bem como nos organismos internacionais, como a ONU, chamando a atenção para o martírio dos cristãos, em tão grande número e  em tantos lugares do mundo, algo inconcebível nos tempos modernos, que deveriam ser tempos de tolerância e de paz, onde cada um pudesse viver e manifestar livre e publicamente a sua fé.

Sugiro a leitura do breve texto  de Gilles Lapouge, no Jornal O Estado de São Paulo, página A11, do dia 24 de julho do ano em curso.

Rezemos com e pelos cristãos perseguidos. Que as autoridades brasileiras olhem com atenção para o que está acontecendo com nossos irmãos de fé em outras paragens do mundo e contribuam diplomática e eficazmente para garantir-lhes a liberdade religiosa. Que os grandes meios de comunicação pousem suas lentes sobre a violência praticada contra os cristãos e suscitem uma ação humanitária que os defenda da crueldade e da servidão.

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de Sâo José do Rio Preto/SP

Comentários

  1. A bênção, D Tomé!
    Os cultuadores da deusa pagã da lua Alah cujas reminiscências se encontram nas bandeiras, ambulâncias, topos das mesquitas etc, sob a forma da lua quarto crescente, adotam uma religião incitadora ao ódio - desde crianças são assim instruídos – mas seus teólogos(?) pregam ser o mesmo Senhor Deus de Israel, apesar de essa religião ter aparecido em 622 DC – têm pavor da Igreja católica por desmascarar os religiosos islâmicos, converter o povo; daí perderem o domínio sobre ele, inclusive ameaçar de morte o islâmico que se mudar para o cristianismo, caso recente no Sudão da acusada recém libertada, Meriam Ibrahim.
    A relação do Islã também com os judeus é hostil; o ódio pregado no Corão vem desde o tempo de Maomé, insatisfeito com a resistência dos judeus que viviam na Arábia, e não se convertiam à sua religião, e passou a hostilizá-los e tê-los como inimigos; era do estilo do “Politicamente Correto” - o mesmo dos comunistas - para quem não se curvasse à sua fé!
    O Alcorão, além de ser obra meramente humana, tem muitas contradições, além de conter varias passagens incitando à violência, como:
    Ó muçulmanos, não tomeis por amigos os cristãos e os judeus; que sejam amigos entre si. Porém, quem dentre vós os tomar por amigos, certamente será um deles, e Alah não encaminha os iníquos. Sura 5:51
    Ó muçulmanos, combatam os incrédulos cristãos e os hipócritas, e sê implacável para com eles! O inferno será sua morada. Que funesto destino! Sura 9:73
    Ó fiéis muçulmanos, combatei os vossos vizinhos cristãos incrédulos para que sintam a severidade em vós; e sabei que Alah está com os tementes -. Sura 9:123 etc..
    Orar, penitenciar, denunciar e jamais votar em partidos comunistas, aqui como o PT, PC do B, PSOL, PSTU, PCB, PCO que são amigos dos muçulmanos exaspera a perseguição global aos cristãos – mantêm-se em silencio total à perseguição atual – especialmente aos católicos, caluniados em particular, inclusive no próprio país onde os comunistas governam, caso Brasil.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Confira as últimas postagens do site da Diocese de São José do Rio Preto