sábado, 21 de junho de 2014

“COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA”

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em sua 52ª Assembleia Geral Ordinária, de 30 de abril a 09 de maio, do ano em curso, realizada junto ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, São Paulo, publicou o Documento de número 100, com o título “Comunidade de Comunidades: uma nova paróquia – A Conversão Pastoral da Paróquia.”

O Secretário Geral da CNBB, Dom Leonardo Ulrich Steiner, ofm, na apresentação do Documento 100, afirma:
“A Igreja é comunidade! A comunidade torna visível a Igreja.”

“As pessoas que receberam o dom do conhecimento de Cristo, de terem nascido em Cristo, formam a comunidade, tornando palpável a Igreja como dinâmica do Reino.”

“A Comunidade, as comunidades, uma rede de comunidades, expressam a vitalidade de ser Igreja, pois expressam uma dinâmica de relações e cuidados entre os que são filhos no Filho e toda criatura.”

O Papa Francisco, na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, n. 49, afirma: “O que nos deve santamente inquietar e preocupar (...) é que haja tantos irmãos nossos que vivem sem a força, a luz e a consolação da amizade com Cristo, sem uma comunidade de fé que os acolha, sem um horizonte de sentido e de vida.”

São palavras do Papa Francisco: A paróquia como comunidade de comunidades “é presença eclesial no território, âmbito para a escuta da Palavra, o crescimento da vida cristã, o diálogo, o anúncio, a caridade generosa, a adoração e a celebração. Através de todas as suas atividades, a paróquia incentiva e forma os seus membros para serem agentes da evangelização. É comunidade de comunidades, santuário onde os sedentos vão beber para continuarem a caminhar, e centro de constante envio missionário.”(Evangelii Gaudium, n.28)

O Documento 100, no número 8, afirma: A conversão da paróquia em comunidade de comunidades “consiste em ampliar a formação de pequenas comunidades de discípulos convertidos pela Palavra de Deus e conscientes da urgência de viver em estado permanente de missão. Isso implica revisar a atuação dos ministros ordenados, consagrados e leigos, superando a acomodação e o desânimo. O discípulo de Jesus Cristo percebe que a urgência da missão supõe desinstalar-se e ir ao encontro dos irmãos.”

Na nossa Diocese de São José do Rio Preto, a rede de comunidades é um modo de vivenciar o que é proposto pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, no Documento 100: “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia – A conversão pastoral da Paróquia.”

Acolha o meu abraço e saudação, confiando-me às suas preciosas orações. Rezemos também, com insistência, pelas vocações sacerdotais, religiosas e missionárias.


+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário