segunda-feira, 24 de março de 2014

QUARESMA: CONTINGÊNCIA, VIOLÊNCIA, PECADO E LIBERDADE.

Iniciamos a terceira semana da quaresma ouvindo na missa do domingo, 23 de março, a narrativa do encontro da mulher samaritana com Nosso Senhor Jesus Cristo, em Sicar, na Samaria, junto ao poço de Jacó (Jo 4,5-42).

Nosso Senhor Jesus Cristo se revela à mulher samaritana como fonte de água viva: “Quem beber da água que eu lhe darei, esse nunca mais terá sede. E a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água que jorra para a vida eterna”(Jo 4,14).

O encontro com Nosso Senhor Jesus Cristo foi libertador para a mulher samaritana. Ela deixa o seu cântaro junto ao poço e vai à cidade falar aos seus conterrâneos do ocorrido com ela. O povo vai ao encontro do Salvador e crê n’Ele, e depois diz à samaritana: “Já não cremos  por causa das tuas palavras, pois nós mesmos ouvimos e sabemos que este é verdadeiramente o salvador do mundo” (Jo 4, 42).

Ainda estamos assustados com o provável acidente com o avião que fazia o voo MH 370, da Malásia, provocando a possível morte de 239 pessoas. Falta uma palavra final sobre o que de fato ocorreu, diante de tantas possibilidades abertas. O fato nos coloca diante da contingência humana e da tecnologia. Não podemos e não sabemos tudo, somos limitados.

Fortíssima a imagem do corpo da senhora Cláudia sendo arrastado por 350 metros na cidade do Rio de Janeiro, fruto da violência, sempre repugnante, independentemente de sua origem. Ceifada a vida desta Senhora, uma família fica privada da presença, do amor e do cuidado de uma “matriarca”, isto é, de uma mulher forte, corajosa, empreendedora, segundo os depoimentos de seu esposo.

Em última instância, a origem do mal é sempre o pecado, pessoal ou social, alojado no coração do homem e da sociedade, muitas vezes consubstanciado em estruturas e organismos pecaminosos.

São iluminadoras para nós as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo dirigidas à mulher samaritana: “Está chegando a hora, e é agora, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade. De fato, esses são os adoradores que o Pai procura. Deus é espírito, e aqueles que o adoram devem adorá-lo em espírito e verdade”( Jo 4, 23-24 ).

Diante de nossos limites e contingências, diante do pecado estrutural, como podemos viver nossa fé, isto é, adorar a Deus em espírito e verdade? A Campanha da Fraternidade de 2014, “Fraternidade e tráfico humano”, nos recorda que Nosso Senhor Jesus Cristo nos libertou: “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1).

Livres em Nosso Senhor Jesus Cristo, pelo mistério da sua encarnação, morte e ressurreição, “possuidores” do seu Espírito , o Espírito Santo, podemos adorar a Deus com nossa vida, em espírito e verdade, superando as contingências pela fé e extirpando a violência de nossa vida pessoal e social.

Sem dúvida, o tráfico humano e de órgãos, são também expressões do pecado e da violência que ferem a dignidade dos filhos de Deus. Por outro lado, é um ato de amor, de caridade, doar livremente os órgãos, segundo os parâmetros éticos e morais, que possam ajudar outra pessoa a viver melhor.


+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto.


Um comentário:

  1. A Bênção, D Tomé!
    Um dos fatores decisivos nesses casos acima, mais exatamente o da violência e da dissolução social é o sub fruto da prática das injustiças - ensino e apreensão das ideologias da cartilha marxista e mais agregados: a ideologia do gênero, aborto, pedofilia, destruição da família etc. - e de estarmos sob um relativista governo do PT, de ideologia marxista em que prevalece em tudo o que diz o profeta Isaías em 5, 20: Ai de vós que ao mal chamais bem e ao bem mal...
    Confirmando-o mais ainda, a Sen. Ana Rita do PT (Lucianoayan.com) dissera que os comunistas preferem os bandidos ás vítimas, decorre justamente por incentivarem as infernais lutas de classes e, quanto mais insurreições sociais mais adequarão às propostas das ideologias satano-marxistas estampadas na bandeira do que professam - como o PCC, MST etc - do martelo da destruição, da foice da morte e do vermelho, do sangue dos adversários, sabendo nós que onde adentram estão garantidas as chantagens gerais, dura opressão, perseguição à Igreja, atraso, miséria e morte.
    A WC Cuba das drogas, da escravidão e da liberdade dada aos escravos é o clássico exemplo.
    Vejamos a crise na Venezuela, por os comunistas terem apenas planos de poder, não de governo!
    Aqui no Brasil, nem à época das eleições que me lembre, jamais ouvi um sacerdote na homilias dizer algo, fazer qualquer ressalva a partidos comunistas; apenas votar com consciência - coisa de Pilatos? - a um povo que não a possui e ainda nem nela não é instruído, mas muito bem doutrinado via governo, inclusive nas escolas infantis na prática do DECÁLOGO DE LÊNIN, os 10 mandamentos dos comunistas, cujo 1º mandamento diz: "Corrompa a juventude e dê-lhe toda liberdade sexual".
    Esses fatos acima seriam, talvez exceção do avião, consequências de um todo bastante relativizado, já muito ideologizado devido ao materialismo em que lhe foi ensinado, quem sabe, boa parte teria perdido a sensibilidade cristã pelo sofrimento alheio.
    A morte de um homem, uma tragédia; a morte de milhões, apenas uma estatística - Lênin.

    ResponderExcluir