segunda-feira, 25 de novembro de 2013

“ENTÃO, TU ÉS REI?”(Jo 18,37)

Nos seus anos de “vida pública”, os três últimos, quando anunciou o evangelho, curou doentes e libertou endemoninhados, as pessoas, várias vezes, desejaram fazer de Nosso Senhor Jesus Cristo o seu rei, mas Ele nunca aceitou: “Quando Jesus percebeu que queriam levá-lo para proclamá-lo rei, novamente se retirou sozinho para a montanha”(Jo 6, 15).

Ao final de sua vida, no momento de seu julgamento, diante de Pilatos, Nosso Senhor Jesus Cristo assumiu sua realeza:

“Pilatos entrou, de volta, no palácio, chamou Jesus e perguntou-lhe: ‘Tu és o Rei dos Judeus?’ Jesus respondeu: ‘Estás dizendo isto por ti mesmo, ou outros te disseram isso de mim?’ Pilatos respondeu: ‘Acaso sou eu judeu? Teu povo e os sumos sacerdotes te entregaram a mim. Que fizeste?’ Jesus respondeu: ‘O meu reio não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas lutariam para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu reino não é daqui.’ Pilatos então disse: ‘Então, tu és rei?’ Jesus respondeu: Tu dizes que eu sou rei’”(Jo 18, 33-37).

Algumas pessoas, diante da pregação de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre o Reino de Deus,  também chegaram a pensar que Ele era rei a modo humano: “Os fariseus perguntaram a Jesus sobre o momento em que chegaria o Reino de Deus. Ele respondeu: ‘O Reino de Deus não vem ostensivamente. Nem se poderá dizer: ‘Está aqui’, ou ‘Está ali’, pois o Reino de Deus está no meio de vós”(Lc 17, 20-21).

Escrevendo aos cristãos de Corinto, São Paulo afirma: “Pois o Reino de Deus não consiste em palavras, mas em força ativa”(1Cor 4,20). São ilustrativas também estas outras palavras: “Pois o Reino de Deus não é comida e bebida, mas é justiça e paz e alegria no Espírito Santo”(Rm 14, 17).

Sim, Nosso Senhor Jesus Cristo é Rei, com Ele também reinamos. No livro do Apocalipse encontramos: “O reinado sobre o mundo pertence agora ao nosso Senhor e ao seu Cristo, e Ele reinará para todo o sempre.”(Ap 11,15). E ainda:
“Eles vão combater contra o Cordeiro, mas o Cordeiro, Senhor dos Senhores e Rei dos reis, os vencerá, e também serão vencedores os que com ele são chamados, eleitos, fiéis”(Ap 17, 14).

Em Nosso Senhor Jesus Cristo, “a realeza é de origem divina e tem o primado sobre tudo, porque nele o Pai pôs a plenitude de todas as coisas. O evangelho de Lucas apresenta a realeza de Jesus narrando a paródia da sua investidura como Rei dos Judeus na cruz, que lembra a outra paródia que se deu no pretório de Pilatos (...) A investidura real de Jesus se desenrola em torno da cruz, trono improvisado do novo Messias.” As duas testemunhas da entronização real de Nosso Senhor Jesus Cristo são dois bandidos, aos quais oferece o perdão, aceito por Dimas, o bom ladrão.

É um bálsamo a palavra de Nosso Senhor Jesus Cristo crucificado: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”(Lc 23,34). “Cristo é rei porque, perdoando e morrendo para a remissão dos pecados, cria uma nova unidade entre os homens. Quebrando a corrente do ódio, oferece a possibilidade de um novo futuro.”

Encontramos uma bela síntese teológica da realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo no Prefácio da “Missa de Cristo Rei”: “(...) Com óleo de exultação ungistes vosso Unigênito, Jesus Cristo e Senhor nosso, Sacerdote eterno e Rei do universo, para que, oferecendo-se na cruz, vítima pura e pacífica, realizasse a redenção dos homens; e, submetendo ao seu poder toda criatura, entregou à vossa infinita majestade o reino eterno e universal: reino da verdade e da vida, reino da santidade e da graça, reino da justiça, do amor e da paz. (...)”.

Como amigos do Rei e participantes do seu reinado, rezemos: “Deus eterno e todo-poderoso, que dispusestes restaurar todas as coisas no vosso amado Filho, Rei do universo, fazei que todas as criaturas, libertas da escravidão e servindo à vossa majestade, vos glorifiquem eternamente. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!”

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto/SP

Um comentário:

  1. Acho que, apesar de Cristo não ter manifestado seu poder e realeza completa e definitivamente, Ele o fará oportunamente; todos os seus adversários se curvarão e Lhe renderão tributo como Rei do Universo, ainda que forçadamente.
    Pior de tudo: os que O rejeitaram hão de se arrepender para sempre e estarão eternidade afora estando sob as patas de Satanás.
    Daí, que toda submissão a algum poder terreno é idolatria, e os governos são pactos sociais, apenas materiais e nada sagrados.
    Nosso rei é Cristo. Os presidentes, reis e tiranos do mundo não passam de síndicos, gerentes temporais, encarregados de turno, tão frágeis como nós. A realeza é apenas de Cristo.
    Creio que sempre serviremos algum rei; ou o reinado justo de Cristo ou então o da mentira, de Satanás. .
    Enquanto se está vivo é hora de pedir a Deus a graça de discernir qual o mais conveniente e optar por ele!
    A bênção, D Tomé!

    ResponderExcluir