quinta-feira, 22 de novembro de 2012

FIÉIS LEIGOS




Como na sociedade civil, na Igreja Católica Apostólica Romana temos datas especiais que destacam segmentos específicos ou determinadas categorias de fiéis. No Brasil, sempre na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, recordamos os fiéis leigos.

O fiel leigo é o batizado configurado com Nosso Senhor Jesus Cristo e n’Ele é sacerdote, profeta e pastor.  Esta configuração é para todo fiel uma identificação e participação na vida de Deus, tornada acessível para nós no Divino Salvador.

O fiel leigo é sacerdote, pois em Cristo, por Ele e com Ele oferece a si mesmo a Deus Pai como uma oferenda agradável através de uma vida de santidade moral como resposta à santidade que de Deus recebeu no batismo.

O fiel leigo é profeta,  alguém que movido pelo Espírito Santo proclama Nosso Senhor Jesus Cristo como Salvador, e o faz com o seu modo de vida e  palavra. Para anunciar Jesus Cristo hoje não é suficiente o testemunho de uma vida moralmente santa, mas é necessário testemunhá-Lo com a palavra, usando de todos os meios disponíveis.

O fiel leigo é pastor, participa da caridade pastoral de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amado e sustentado por Deus, ele é capaz de amar o outro com um amor divino, ágape, realidade transformadora que se manifesta como cuidado.

O fiel leigo vive o seu sacerdócio, profetismo e pastoreio antes de tudo na vida familiar, Igreja doméstica. É aqui o primeiro espaço para viver a dimensão comunitária da fé. Os cônjuges e  os filhos formam uma realidade eclesial fecunda que se abrirá para uma comunidade mais ampla que tem como referência a vida paroquial.

É a sociedade, nos ambientes de educação, trabalho e vida social o campo peculiar da ação pastoral leiga, trabalhando para imprimir nas realidades históricas e mundanas as marcas do amor de Deus, sobretudo da justiça, do amor, da fraternidade e da paz.

No mundo o fiel leigo não precisa necessariamente participar de uma cruzada evangelizadora explícita, mas é capaz, pode e deve evangelizar vivendo de modo extraordinário a ordinariedade de sua vida: um professor católico deve ensinar como católico; um médico católico deve clinicar como católico; um advogado católico deve advogar como católico; um engenheiro católico deve planejar como engenheiro católico; um político ou magistrado católico deve ser homem público agindo catolicamente.

Saúdo com vivo afeto os fiéis leigos da Diocese de São José do Rio Preto, estes que com sua vida dão vida à nossa Igreja, e que presentes no mundo o tornam um pouco mais próximo do mistério e da beleza do Reino de Deus.

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário