terça-feira, 31 de julho de 2012

Há vagas para moças


“Grande número de mulheres estava ali, observando de longe. Elas haviam acompanhado Jesus desde a Galiléia, prestando-lhe serviços”(Mt 27, 55).

A presença da mulher na vida da Igreja Católica Apostólica Romana remonta às suas origens, está naturalmente na sua constituição e natureza. Grande número de mulheres acompanhava Nosso Senhor Jesus Cristo durante a sua vida pública, prestando-lhe serviços. Algumas delas são nomeadas no evangelho: “Entre elas estavam Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e de José, e a mãe dos filhos de Zebedeu”(Mt 27,56).

A missão da Igreja requer necessariamente a atuação da mulher, desde a família, Igreja Doméstica, até às mais diversas instituições eclesiásticas, sempre com uma presença diferenciada em cada dimensão. A presença de mulheres santas ao longo da história da Igreja é uma demonstração palpável de como elas assumiram e assumem os mais diversos ministérios a serviço do Povo de Deus.

uma presença singular da mulher na vida da Igreja, como religiosa, consagrada, freira ou irmã de caridade. Os nomes usados são vários, mas a realidade é uma só: conhecimento, amor e seguimento a Jesus Cristo pobre, casto e obediente, tendo como referência Maria, a Mãe de Jesus, bem como as mulheres que O acompanharam durante a sua vida.

São muitas as congregações religiosas femininas, surgidas ao longo da história, como respostas aos sinais dos tempos, sempre inspiradas pelo Divino Espírito Santo, semeadas, nascidas e cultivadas no contexto da Igreja, Mãe e Mestra. Ainda hoje, o Divino Espírito Santo suscita novas formas de consagração e de vida religiosa que vão lançando raízes, criando estruturas e produzindo também bons e generosos frutos.

Cada congregação religiosa tem um carisma próprio, desenvolvido por um fundador ou fundadora, que orienta a vida espiritual e a ação pastoral de seus membros. As congregações religiosas têm sempre algo em comum, mas são diferentes entre si, o que mostra modos diversos de realização da ação pastoral da Igreja, Corpo Místico de Cristo, sempre no desejo de responder à sua missão recebida de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A variedade das congregações religiosas mostra também a riqueza e o dinamismo do Divino Espírito Santo, que faz a Graça de Deus, infinita, manifestar-se de modos diversos na história, diante da impossibilidade humana de acolhê-la na sua totalidade e de imediato. São como diversas manifestações de um único e indizível mistério, que não se contrapõem, mas se complementam.

As mulheres, jovens moças, são chamadas por Jesus Cristo para a vida religiosa e consagrada na Igreja, dentro de uma congregação religiosa específica, seguindo um carisma próprio amadurecido ao longo do tempo da Igreja. O Povo de Deus, o Corpo Místico de Cristo, precisa de mulheres que deixem a família, o trabalho, o mundo, para viverem um seguimento de amor a Jesus Cristo, a exemplo da Virgem Maria, de dedicação total e exclusiva a Deus.

Querida jovem, pense bem, olhe para o seu coração: Nosso Senhor Jesus Cristo deseja-a santa e feliz como religiosa e consagrada. Ele precisa de você para mostrar o amor de Deus às crianças, aos jovens, aos estudantes, aos enfermos, aos que se encontram em região de missão, aos empobrecidos e esquecidos pela sociedade, para ajudar na difusão do evangelho e na promoção da dignidade humana, ou ainda para viver no silêncio do claustro na imolação diária através da oração. Não tenha medo de dizer sim a Nosso Senhor Jesus Cristo, pois vale a pena!

Na Igreja e nas congregações religiosas femininas vagas, e muitas, para moças que sejam corajosas e ousadas para seguirem Nosso Senhor Jesus Cristo pobre, casto e obediente, como fez Nossa Senhora. Venha você também! Para conhecer algumas congregações religiosas femininas, entre no site da Região Episcopal Ipiranga, www.regiaoipiranga.com.br, no menu principal clique em religiosas. 


+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Auxiliar de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário