sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A Santidade é e não é "coisa de outro mundo."


Usamos a expressão “coisa de outro mundo” para designar algo improvável, difícil, senão impossível de realizar. Podemos ser tentados a pensar que a santidade seja coisa de outro mundo, impossível ou demasiado exigente para a pessoa humana.

A expressão “santidade” designa o modo de ser e agir de Deus. São João expressa a vida de Deus com uma expressão: “Deus é amor” (1Jo 4, 16 ). O amor deve ser compreendido como caridade, oblatividade, doação de si, tal como encontramos na pessoa de Jesus Cristo.

A Sagrada Escritura afirma que Deus é santo: “(...) Eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” (Lv19, 2). Na profecia de Isaías encontramos: “Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos” (Is 6, 3). A santidade mostra a singularidade de Deus em relação ao que ele criou. Ele é diferente das suas criaturas, não uma diferença quantitativa mensurável. Ele é totalmente diferente, absolutamente Outro.

Deus, ao criar a pessoa humana, criou-a “ à sua imagem e semelhança (cf Gn 1,26), desejando para ela a sua própria vida: “Deus é amor: quem permanece no amor, permanece em Deus, e Deus permanece nele” (1 Jo 4, 16). Deus permanecendo nos seus filhos, capacita-os para amar, e os que amam permanecem n’Ele.

Esta é a dinâmica da santidade: santificados por Deus, com um dom recebido, podemos responder com uma vida de santidade moral. A santidade é ao mesmo tempo dom de Deus e resposta humana. Santificados por Deus, agimos santamente. Para nós o agir é conseqüência do ser, o fato de sermos santificados possibilita a nossa ação moral qualitativamente santa.

Deus nos santifica em Jesus Cristo, através de sua morte e ressurreição, cujo efeitorecebemos primeiramente no sacramento do batismo, através do qual somos incorporados a Ele, de tal modo que sua vida veicula em nós. “Eu sou a videira e vós, os ramos. Aquele que permanece em mim, como eu nele, esse dá muito fruto; pois sem mim nada podeis fazer” ( Jo15, 5 ).

Hoje Jesus Cristo nos santifica enquanto somos membros de seu Corpo Místico, isto é, enquanto somos membros da Igreja, o novo Povo de Deus: “Vós todos sois o corpo de Cristo e, individualmente, sois membros deste corpo” (1Cor 12, 27); “Ele é a Cabeça do corpo, que é a igreja (...)” ( Cl l, 18 ) .

É o Espírito Santo, que recebemos nos sacramentos do batismo e na crisma, que na Igreja nos associa a Jesus Cristo, fazendo com que a vida de Deus, Amor, seja também a nossa vida. É Ele que vivifica a Igreja, Corpo de Cristo, e nos comunica a santidade nela presente.

+ Tomé Ferreira da Silva.

Bispo Auxiliar de São Paulo


Nenhum comentário:

Postar um comentário