terça-feira, 29 de novembro de 2011

O SALVADOR, CRISTO, O SENHOR!

Neste ano de 2011, o dia 27 de novembro é o primeiro do advento, um tempo singular  para nós Católicos Apostólicos Romanos. A expressão “advento” denomina o período,  quatro semanas, que antecede a solenidade do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, que comemoramos no dia 25 de dezembro.

A natureza do advento. Nas duas primeiras semanas do advento a nossa atenção é conduzida para a “parusia”, isto é, para a vinda gloriosa de Nosso Senhor Jesus Cristo no fim dos tempos. Esta é uma promessa cuja realização aguardamos na esperança:
Então, verão o Filho do Homem, vindo numa nuvem, com grande poder e glória”( Lc 21, 27; cf.: Mt 24, 37-44; Mc 13, 33-37; Lc 21m 25-28 ).
 
Os dias da segunda parte do advento oferecem elementos para uma preparação propícia para a celebração do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. È não só a recordação de um evento histórico, mas um modo de participação no mistério da encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo, que vem para nos salvar do pecado e de seus frutos que nos impossibilitam ou dificultam viver como bons filhos de Deus.

O que a Igreja espera de nós com advento? Ao propor o tempo do advento, a Igreja nos faz um convite para  viver estes dias em  expectativa alegre, prontos para acolher a Nosso Senhor Jesus Cristo que virá glorioso ao nosso encontro, ocasião em que seremos enriquecidos com a sua glória de ressuscitado e veremos o mundo plenamente restaurado pelo seu poder. Ao mesmo tempo, é um chamado para uma adequada preparação para celebrar na fé o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, ocorrido há 2011 anos, na cidade de Belém de Judá. Não é propriamente um tempo penitencial, mas de uma vida sóbria que nos predisponha a uma  abertura à graça de Deus que nos levará à conversão, à amizade com Nosso Senhor Jesus Cristo.

Convocações do advento. Na primeira semana, iluminados pela Palavra de Deus proclamada no primeiro domingo, 27 de novembro, o convite é para a VIGILÂNCIA, diante da certeza da vinda gloriosa de Nosso Senhor Jesus Cristo e da incerteza do dia e da hora em que ela ocorrerá. O Espírito Santo, que recebemos no batismo e na crisma, nos leva a uma espera ativa que, orientada pelo amor a Deus e ao próximo, provocará em nós uma série de frutos de bondade. “ O que vos digo, digo a todos: vigiai ” ( Mc 13, 37 ).

Na semana que iniciaremos em 04 de dezembro, a Palavra de Deus nos chamará à CONVERSÃO,  a uma volta permanente ao coração de Deus, atraídos pelo seu amor manifesto na encarnação, paixão, morte e ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. A tomada de consciência de nossos pecados e o conseqüente arrependimento deve nos conduzir à busca do sacramento da confissão, lugar próprio para recebermos o perdão de Deus, condição para a celebração de um adequado Natal. “Preparai o caminho do Senhor, endireitai suas estradas” ( Mc 1, 3).

No domingo 11 de dezembro ouviremos o convite para a ALEGRIA , pois aproxima-se a solenidade do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Exulto de alegria no Senhor e minh’alma regozija-se em meu Deus: ele me vestiu com as vestes da salvação, envolveu-me com o manto da justiça e adornou-me como um noivo com sua coroa, ou uma noiva com suas jóias” ( Is 61, 10 ).    

No último domingo deste advento, 18 de dezembro, o convite é para professarmos a nossa  em Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, à luz da experiência de Maria e José. O menino que nasce em Belém tem uma singularidade: “ O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus” ( Lc 1, 35). A fé nos leva à adoração, a mais sublime oração que a pessoa humana pode fazer diante de Deus.
 
Um presente para o aniversariante. Quem em sua vida, em sua casa e em seu trabalho este tempo do advento seja bem vivido, na fé, como ocasião  de preparação para o Natal. O  presente que Nosso Senhor Jesus Cristo, o aniversariante, espera de você neste dia 25 de dezembro é sua participação na Santa Missa, recebendo a Eucaristia, precedida por uma piedosa confissão, feita com antecedência.

Que em sua  família e ambiente de trabalho não  falte o presépio, expressão plástica  do que celebramos, ainda que seja apenas uma imagem do Menino Jesus. Este será  um gesto profético de sua parte mostrando aos seus e aos que o visitam que Jesus Cristo faz parte de sua vida, Ele é o salvador.

Se ainda não escolheu o presente a ser oferecido aos seus amigos e familiares, que tal uma Bíblia? Ou um presépio? Ou ao menos uma bela imagem do Menino Jesus?

Receba meu abraço com os votos de Santo tempo de advento! Feliz Natal! Abençoado Ano Novo!

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Auxiliar de São Paulo

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Crisma na Área Pastoral Nossa Senhora de Fátima

A Área Pastoral Nossa Senhora de Fátima, na Arquidiocese de São Paulo, na Região Episcopal Ipiranga, Setor Imigrantes, realizou a crisma de jovens e adultos, em celebração presidida por Dom Tomé, na noite de domingo, dia 27.

Santa Missa na Catedral da Sé pelos 50 Anos da Adveniat

No fim da manhã do dia 27, na Catedral da Sé, em São Paulo, Dom Tomé participou da Celebração Eucarística, em ação de graças pelos 50 anos da Adveniat, ação da Igreja Católica, na Alemanha, que ajuda as igrejas empobrecidas da América Latina e do Caribe.

Crisma na Paróquia Nossa Senhora das Dores

A Paróquia Nossa Senhora das Dores, na Arquidiocese de São Paulo, Região Episcopal Ipiranga, Setor Ipiranga, realizou na noite de sábado, dia 26, a crisma de jovens e adultos, em celebração presidida por Dom Tomé.

Encontro de Formação para os Diáconos Permanentes

Os diáconos permanentes tiveram encontro de formação no sábado, 26, com o Pe. Roberto, o segundo cerimoniário da Arquidiocese de São Paulo, no Seminário de Teologia Bom Pastor. Dom Tomé esteve presente.

Conselho de Assuntos Econômicos da Região

O Conselho de Assuntos Econômicos da Região Episcopal Ipiranga encerrou as suas atividades do ano na manhã do dia 26, sábado, aprovando o orçamento geral para o ano de 2012, que depende agora de aprovação da Arquidiocese de São Paulo.

Encerramento da Visita Pastoral na Paróquia Santo Agnelo

Na tarde de sábado, 26 de novembro, Dom Tomé concluiu a Visita Pastoral na Paróquia Santo Agnelo, na Vila Livieiro, na Arquidiocese de São Paulo, na Região Episcopal Ipiranga, no Setor Anchieta.

Encerramento da Visita Pastoral na Paróquia Santa Paulina

Encerramento da Visita Pastoral na Paróquia Santa Paulina. Na sexta-feira, dia 25, reunindo-se com o Conselho de Assuntos Econômicos, Dom Tomé concluiu a Visita Pastoal na Paróquia de Santa Paulina, em Heliópolis, nesta Arquidiocese de São Paulo, na Região Episcopal Ipiranga, Setor Anchieta.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Contagem regressiva para o Natal de Jesus Cristo



Celebraremos os 2011 anos do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo em 25 de dezembro próximo. É a solenidade do Natal. Sua importância é tão grande que nos prepararemos para ela durante quatro semanas, que são chamadas na Igreja de “Tempo do Advento”, isto é, tempo d’Aquele que está para chegar, Nosso Senhor Jesus Cristo. Como filhos de Deus e amigos de Nosso Senhor Jesus Cristo, o aniversariante, viveremos este período cultivando quatro elementos em nossa vida: a fé, a esperança, a conversão e a caridade.

A recordação do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo deve suscitar em nós a virtude da fé em sua pessoa, reconhecendo-O como Filho de Deus, acolhendo-O como  nosso único Salvador, deixando-O ser Senhor e reinar em nossa vida. A atitude que mais nos ajuda neste propósito é a contemplação: olhar amorosamente para Nosso Senhor Jesus Cristo, ver n’Ele a presença de Deus entre nós, no mundo e na história, deixar-se envolver por este mistério. Da contemplação nascerá em nós a melhor oração, a adoração: prostrar-se diante de Nosso Senhor Jesus Cristo e oferecer a Ele todo o nosso ser e agir.

Da fé em Nosso Senhor Jesus Cristo nasce a virtude da esperança. O que esperamos? Vivemos na expectativa de seu retorno entre nós, no mundo e na história. Chamamos este mistério de “parusia”. Sabemos que Ele virá, mas não temos ciência de quando isto ocorrerá. Nesta ocasião, Ele se apresentará a nós revestido de sua glória de crucificado ressuscitado, glória que recebeu de Deus Pai. N’Ele glorioso vemos o que se dará conosco também neste dia, seremos semelhantes a Ele; o mundo e a história serão restaurados, saindo do influxo do pecado e da morte, que vencidos não mais terão domínio sobre nós.

A expectativa da última manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo, no fim dos tempos, suscita em nós o desejo da conversão, de vivermos próximos de Deus, atentos ao que Ele deseja para nós, seus filhos. A conversão é necessária, pois nos reconhecemos ainda pecadores, continuamente tentados pelas diversas manifestações do mal em nós, no mundo e na história. Não basta reconhecer-se pecador, o que não é muito difícil; é preciso fazer o caminho de volta ao projeto de Deus, o que é mais exigente e empenhativo, pressupõe decisão livre capaz de determinar a vontade em seguir a Nosso Senhor Jesus Cristo. É Deus que suscita em nós o desejo da conversão e sua graça nos sustenta neste processo.

A melhor expressão da conversão é o exercício da caridade, que é a maior, melhor e mais sublime expressão do amor. A caridade é a vida de Deus. Em nós será sempre fruto da ação do Espírito Santo, que presente em nós, nos faz participantes da vida mesma de Deus. A nossa caridade, que nasce da vida de Deus, constitui-se em dois movimentos distintos, mas não independentes ou opostos: dirige-se a Deus como resposta e prolonga-se em direção ao próximo; amados por Deus, envolvidos por este amor divino, podemos amá-Lo e amar o próximo com o mesmo amor com que somos amados.

Caro leitor, viva bem, santamente, este advento, tempo de graça para você, para a Igreja, para o mundo e a história. A beleza da sua festa de Natal depende do modo como você se prepara para ela.

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Auxiliar de São Paulo

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Celebração em Aparecida - Homilia na Íntegra

Na manhã do dia 22 de Novembro, Dom Tomé presidiu a Santa Missa por ocasião do 250° Anos de fundação da primeira escola das Irmãs da Providência de GAP. Confira algumas fotos e a Homilia na Íntegra.


HOMILIA NA CELEBRAÇÃO DOS 250 ANOS DE FUNDAÇÃO DA PRIMEIRA ESCOLA DAS IRMÃS DA PROVIDÊNCIA DE GAP.

APARECIDA, 22 DE NOVEMBRO DE 2011.

MEMÓRIA DE SANTA CECÍLIA.

INTRODUÇÃO:
Caro filho, querida filha! Como é bom nos encontrarmos no Santuário de Nossa Senhora Aparecida, Mãe de Deus e nossa. Ela nos acolhe terna e maternalmente, permitindo-nos experimentar no seu amor o cuidado de Deus, sensível para nós na pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo, que “tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1).

Recordamos hoje a memória litúrgica de Santa Cecília, cuja virgindade foi consagrada pelo martírio, que viveu nos primeiros séculos do cristianismo. É a padroeira dos músicos.

Acolhendo cada peregrino e romaria que se encontra no Santuário, acolhemos a Congregação das Irmãs da Providência de Gap, que celebra os 250 anos do envio da primeira irmã, chamada Margarida Lecomte, pelo fundador, Beato João Martinho Moye, a iniciar a missão da Congregação, então nascente, no ano de 1762, indo para Vigy, na França, para viver unicamente confiada na Providência de Deus e educar as crianças empobrecidas. São 250 anos da fundação da primeira escola. 

1ª LEITURA
A leitura que ouvimos da Profecia de Daniel é uma palavra de ânimo ao Povo de Deus  que se encontrava em tempo de perseguição e sofrimento. Ela deseja suscitar a esperança em tempos melhores.

A sucessão e a destruição dos reinos que dominam sobre o Povo de Deus, o babilônico, o medo-persa, o de Alexandre e o dos Selêucidas de Antioquia, mostra que Deus é o único Senhor e Juiz da história. Os reinos serão absorvidos pelo Reino de Deus, que não será destruído.

EVANGELHO
No evangelho Nosso Senhor Jesus Cristo fala de um tempo exigente para os cristãos  marcado pela destruição do templo de Jerusalém, pelo aparecimento de falsos profetas, pela ocorrência de guerras sangrentas e grandes tragédias naturais.

MEDITAÇÃO
O Reino que será instaurado por Deus, segundo o profeta Daniel, e que invocamos quando rezamos o Pai Nosso, “Venha a nós o Vosso Reino”, nós o encontramos em Nosso Senhor Jesus Cristo, a pedra rejeitada, mas que se tornou a pedra fundamental sobre a qual se ergue o edifício da Igreja, sinal do Reino de Deus no mundo e na história. “A pedra que os construtores rejeitaram, esta é que se tornou a pedra angular. Isto foi feito pelo Senhor, e é admirável aos nossos olhos” ( Mt 21, 42 ).

O hino da oração da manhã, deste domingo passado, dirigindo-se a Nosso Senhor Jesus Cristo dizia assim: “Da raça humana cabeça, sois duma Virgem a flor, pedra que, vindo do monte, a terra inteira ocupou”.

Nossa realidade não se distancia muito daquela descrita pelo Profeta Daniel e por Jesus Cristo, no evangelho de hoje: são muitos os governos marcados pela tirania e que provocam sofrimento para o povo que continuamente são substituídos; lugares sagrados são destruídos ou vendidos; as guerras e guerrilhas parecem não ter fim; as convulsões da natureza ainda trazem destruição; os falsos profetas são abundantes e operosos.

Analisando a situação do mundo hoje, as vezes temos a impressão da prevalência do mal sobre o bem. Este é o nosso tempo, o tempo da Igreja, que devemos viver na fé em Jesus Cristo, na esperança da vinda plena do Reino de Deus, no amor a Deus e ao próximo.

Não esqueçamos que o joio cresce com o trigo, como explica Nosso Senhor Jesus Cristo na parábola: “ Deixai crescer o joio e o trigo até a colheita. No momento da colheita, direi aos que cortam o trigo: retirai primeiro o joio e amarrai-o em feixes para ser queimado! O trigo, porém, guardai-o no meu celeiro” ( Mt 13, 30 ). Por isso, “Quanto mais obscuro e incerto for o hoje, tanto mais a fé nos faz voltar a Deus, que guia a história”.

Igualmente, não percamos de vista que o templo de Deus é, em primeira instância, o coração do Filho Nosso Senhor Jesus Cristo. “E a Palavra se fez carne e veio morar entre nós. Nós vimos a sua glória, glória que recebe do seu Pai como filho único, cheio de graça e de verdade” (Jo 1, 14).

A partir da obra redentora de Nosso Senhor Jesus Cristo o templo verdadeiro é o coração de cada fiel que acolhe a Deus e se deixa guiar por Ele: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra; meu Pai o amará, e nós viremos  e faremos nele a nossa morada” (Jo 14, 23).   

CONCLUSÃO
Rendemos graças a Deus pela Congregação das Irmãs da Providência de Gap, presentes no Brasil, com duas províncias, com sedes em Itajubá, MG, e São Paulo, na capital. Elas constituem um dos bons frutos, entre muitos outros, surgidos pela obra incansável do Beato João Martinho Moye e, de certo modo, de Irmã Margarida Lecomte, operária da primeira hora.

Os 53 anos vividos por Irmã Margarida Lecomte em Vigy, e as peregrinações missionárias do Beato João Martinho Moye pela França, China e Alemanha, são um convite para que as suas filhas, continuadoras do carisma, saibam hoje aliar a dimensão missionária da fé e da congregação à estabilidade do amor fiel capaz de transformar as pessoas e a sociedade. Que o legado deixado por eles possa ser primorosamente cultivado e passado para outras gerações, para o bem do Povo de Deus.

Na expectativa do advento que se aproxima, que Nossa Senhora Aparecida, Santa Cecília, e o Beato João Martinho Moye nos ajudem a viver os próximos dias com o coração voltado para o alto, clamando “Maranathá! Vem Senhor Jesus!”.

Enquanto isso, louvamos e exaltamos o Senhor rezando: “Vós, todas as obras do Senhor, bendizei o Senhor: anjos do Senhor, bendizei o Senhor. Ó céus, bendizei o Senhor: E vós, todas as águas acima dos céus, bendizei o Senhor. Vós, todas as potências, bendizei o Senhor” (Dn 3, 57-61).


+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Auxiliar de São Paulo

Crisma na Paróquia São Bernardo de Claraval

Na noite do dia 20 de novembro a Paróquia São Bernardo de Claraval, sob os cuidados do Padre Antônio Luciano de Lima, celebrou, durante a Santa Missa, o sacramento da Crisma, oferecido a 39 crismandos da Paróquia.

Crisma na Paróquia São João Clímaco

A Paróquia São João Clímaco, confiada aos cuidados do Padre William Day Tombini, em Santa Missa celebrada no fim da manhã do dia 20 de novembro por Dom Tomé, ofereceu o sacramento da crisma aos primeiros quarenta crismandos deste ano.

Encontro das Famílias no Seminário Cura d'Ars

O Seminário Arquidiocesano de Filosofia São João Maria Vianey, o Cura d'Ars, tendo à frente o Padre Edvaldo e o Padre Neil, realizou na noite do dia 19 de novembro o encontro das famílias, com a celebração da Santa Missa e a partilha da refeição.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Crisma do Colégio São Camilo na Paróquia Santa Cândida

O Colégio São Camilo, na Região Episcopal Ipiranga, realizou na tarde do sábado, dia 19 de novembro, a celebração da Santa Missa, na Igreja de Santa Cândida, quando vários de seus alunos receberam o sacramento da Crisma. Os trabalhos de preparação foram coordenados pelo Padre Alberto, capelão desta escola.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Visita ao Seminário Propedêutico Nossa Senhora Assunção

Na tarde e noite do dia 18 de novembro Dom Tomé esteve em visita ao Seminário Propedêutico Nossa Senhora da Assunção, na Cachoeirinha. Durante a tarde e início de noite conversou pessoalmente com cada um dos sete propedêutas, avaliando o ano que termina e vendo perspectivas para o ano vindouro. À noite presidiu a celebração da Santa Missa e partilhou com os formandos e o reitor, Cônego José Adriano, a refeição.

Reunião com Dom Odilo

Os Bispos Auxiliares estiveram reunidos com Dom Odilo Pedro Scherer,  Cardeal Arcebispo de São Paulo, na manhã do dia 18 de novembro, em sua residência. Em pauta, a análise das conclusões da Assembléia Arquidiocesana de Pastoral e do encontro do Conselho Arquidiocesano de Pastoral.