sexta-feira, 30 de setembro de 2011

LÁ SE FOI A CASA AMARELA


No espaço onde termina o bairro Ipiranga e começa o Sacomã, em São Paulo, há uma pequena rua denominada de Clemente Pereira, que vai da Rua Bom Pastor às Juntas Provisórias, cruzando as ruas Agostinho Gomes e Silva Bueno, entre outras. Para um olhar pouco atento nada seria percebido como singular, uma rua como outras do bairro.
No entanto, descendo a Rua Clemente Pereira, partindo da Rua Bom Pastor, no primeiro quarteirão, à direita, tinha uma casa amarela; não uma casa como as outras, mas de arquitetura e beleza externa que a diferenciava das demais, tornando-a singular nesta rua. Não era comum ver seus moradores, no entanto gente havia lá, pois o jardim estava sempre limpo, as janelas vez ou outra estavam abertas.
Há alguns meses, no centro da grade, em frente à casa amarela, apareceu uma placa anunciando que ali seria surgiria um novo empreendimento, sem mais especificações. Poucos dias passaram e, de repente, num domingo, o último de setembro, entre o nascer e o pôr do sol, a casa desapareceu. É verdade que nos dias anteriores cortaram algumas árvores do jardim e podaram outras. Um tapume foi colocado em toda a frente do imóvel. Surgirá ali um novo prédio? Será residencial, comercial ou de escritórios?
O desaparecimento da casa amarela é um sinal das transformações que os bairros Ipiranga e Sacomã estão passando: novos prédios residenciais, comerciais e de escritórios; novas escolas e faculdades; o terminal de ônibus Sacomã e a linha verde do metrô; novos estabelecimentos comerciais como padarias, restaurantes, hipermercados e lojas. Há quem diz que o Ipiranga é a “bola da vez” e que em futuro próximo será um novo bairro não deixando nada a desejar em relação a outros de classe média alta da cidade São Paulo.
Estes dois bairros, Ipiranga e Sacomã, estão também sendo objeto de outras transformações que talvez resistimos em ver: o aumento da violência, sobretudo relacionada aos roubos; o aumento dos moradores de rua; a presença de mais pessoas e famílias que estão se instalando debaixo dos viadutos; os contínuos acidentes nos cruzamentos das ruas desprovidos da devida sinalização; instituições históricas de assistência social sendo quase forçadas a fechar suas portas, por um lado pelas novas exigências, em si bem intencionadas, por outro, pela falta de incentivos e parcerias.
As mudanças são boas ou não? Nossos bairros estão preparados com estrutura adequada para o aumento e a chegada dos novos moradores? O que permanecerá como identidade histórica? Como o “velho” conviverá com o “novo”? O que está sendo feito para responder aos novos desafios sociais que vão aparecendo? É hora de pensar, não só em devaneios e sonhos, mas de modo organizado e responsável, uma exigência para o bem de todos.
+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Auxiliar de São Paulo.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

URGÊNCIA MISSIONÁRIA E JUVENTUDE


Deus é Pai e deseja salvar a todos e a tudo, através de Jesus Cristo, evento salvífico para a humanidade. Jesus Cristo é a Palavra definitiva de Deus que estabelece morada entre nós. Presente em nós, através do Espírito Santo, o Pai deseja, por nosso intermédio, chegar a todas as pessoas, em todos os lugares e em todos os momentos da história.
Vivemos o último tempo, chamado de tempo escatológico, clamamos a vinda final de Jesus Cristo, glorificado pela cruz e ressurreição. Não podemos perder tempo, há uma urgência na missão de tornar Jesus Cristo conhecido, amado e seguido por todas as pessoas, cumprindo o seu desejo expresso no momento de sua ascensão: “Foi me dada toda a autoridade no céu e na terra. Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações, batizai-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos”(Mt 28, 18-20).
Fazemos a experiência do mal em nossa vida, no mundo e na história. A raiz e fonte do mal é o pecado, o querer ser senhor de sua própria vida, não reconhecendo sua condição de criatura, buscando uma autonomia absoluta fundada em uma inexata ou limitada compreensão da liberdade, entendida como um poder fazer tudo, de qualquer modo e a qualquer preço.
Seja no mundo, na história, na sociedade ou na singularidade da pessoa, chamamos as manifestações do mal de pecado, que em sua primeira e fundante manifestação foi vencido por Jesus Cristo através de sua encarnação, vida, morte e ressurreição. Os frutos do pecado, no entanto, se manifestam ainda, renascendo sempre, qual erva daninha, no coração humano e, a partir dele, introduzindo a desordem na vida pessoal e social, bem como no mundo e na história. Para falar da ação regeneradora de Jesus Cristo usamos os verbos santificar, salvar, redimir, resgatar e libertar.
Encontramos pessoas que conhecem, amam e seguem Jesus Cristo, partilhando esta experiência como Povo de Deus, em comunidade. Outros conhecem, amam e seguem Jesus Cristo, mas dispensam a Igreja, não se sentindo membros efetivos e ativos nela.
Muitos, uma em cada três pessoas no mundo, ignoram Jesus Cristo, por vontade própria ou porque não foram ainda atingidos pelo anúncio querigmático, isto é, que Jesus Cristo é Deus, Salvador, que nasceu, viveu, morreu e ressuscitou para nos salvar. Assim, estes não podem amá-lo, segui-lo e fazer parte do Povo de Deus, da Igreja.
Alguns conhecem Jesus Cristo, mas se recusam a amá-lo e, consequentemente, a seguí-lo e viver como membro de sua Igreja. Ainda outros ouviram falar de Jesus Cristo, no plano cultural, como informação, mas rechaçam a vida após a morte, não aceitam a transcendência, o céu, e não acreditam na existência da alma, fonte de vida para a corporeidade e que permite o desenvolvimento da dimensão intelectual e espiritual da pessoa.
A realidade delineada acima mostra a urgência da missão, não como conjunto de atividades esporádicas da Igreja ou de algum grupo de fiéis, mas como um modo de vida. É premente que os fiéis católicos vivam missionariamente, redescobrindo a dimensão missionária da sua vida cristã e da Igreja, que é natural e essencialmente missionária.
Uma atenção especial deve ser dada aos jovens, pois precisamos de uma ação missionária jovem, com os jovens e para os jovens, onde os mesmos sejam protagonistas, isto é, sejam eles mesmos os missionários de outros jovens e das novas gerações de adolescentes e crianças.
É preciso propor ou repropor a pessoa de Jesus Cristo aos jovens, não como um personagem passado da história, um entre tantos outros cuja memória é guardada nos livros, nem somente através de informações bíblicas ou culturais ou com meros estudos acadêmicos ou especulações filosófico-teológicas.
Jesus Cristo precisa ser apresentado ao jovem de modo existencial, isto é, como Filho de Deus que veio ao seu encontro para revelar-lhe e possibilitar-lhe experimentar em sua vida o amor de Deus Pai.
Jesus Cristo é Deus, e como tal deve ser sentido, amado e seguido pelo jovem que, por sua vez, deve deixa-lo ser Deus em sua vida. Isso implica uma interpelação para que o jovem faça a experiência de uma amizade singular com Jesus Cristo, fazendo-se, paulatinamente, seu discípulo, por atração, e seu missionário, como resposta a uma necessidade interna e irreprimível de partilhar com os outros a libertação que experimenta.
Caro jovem, convido-o a aproximar-se de Jesus Cristo, a estabelecer com Ele uma relação pessoal de amizade, que seja fonte de santificação para sua vida, deixando-se iluminar por suas palavras codificadas nos quatro evangelhos, tal como são compreendidas pela Igreja.
Jovem, aceite Jesus Cristo em sua vida, torne-se seu discípulo, acolha-o como seu Senhor e Salvador. Assim, o Reino de Deus marcará presença também em sua vida, o que contribuirá para um mundo melhor onde vigore o amor, a fraternidade, a solidariedade e a justiça.
+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Auxiliar de São Paulo.

Ordenação Diaconal Frei Marcelo, OSJ

"No fim da manhã do dia 25 de setembro, na Paróquia Santuário Santa Edwiges, no Sacomã/Estrada das Lágrimas, em uma belíssima Celebração Eucarística, foi ordenado Diácono o Seminarista Frei Marcelo Ocanha, membro da Congregação dos Padres Oblatos de São José. Ele é uma vocação adulta, fruto de um discernimento vocacional realizado ao longo dos últimos vinte anos, o que mostra que quando Deus chama é difícil resistir. Ele é natural do Paraná, mas estudante de teologia em São Paulo. Aguarda o momento de sua Ordenação Sacerdotal. Rezemos sempre para que Deus suscite em nossas famílias novas e santas vocações sacerdotais, religiosas e missionárias".

+ Tomé









Visita Pastoral ao EMEF Leão Machado

"Durante a Visita Pastoral à Paróquia Santo Agnelo, Vila Livieiro, foi realizada em dois dias, 21 e 22 de setembro, uma visita à Escola Municipal Leão Machado, com fraterno diálogo com a direção, professores e funcionários, bem como breve contato com os alunos do matutino. Muitos estudantes desta instituição são frequentadores da Creche ou do CCA da Paróquia Santo Agnelo, sob a coordenação do Revmo. Sr. Pe. Pedro Pereira dos Santos, na escola reconhecido e saudado por muitos."


+ Tomé







terça-feira, 27 de setembro de 2011

Assembléia Geral da Cáritas Arquidiocesana de São Paulo.

"Na noite do dia 23 de setembro, no Centro Pastoral São José do Belém, em São Paulo, realizou-se uma assembléia extraordinária da Cáritas Arquidiocesana de São Paulo, com a finalidade de aprovar o novo regimento interno, já adequado ao novo estatuto, da Cáritas Arquidiocesana de São Paulo e seus seis núcleos, estes em estruturação nas Regiões Episcopais. Um novo horizonte vai se abrindo para a caridade organizada e responsável da Igreja em São Paulo."

+ Tomé









Aniversário de Dom Odilo

"Na noite do dia 20 de setembro, a Arquidiocese de São Paulo agradeceu a Deus os 62 anos de vida do Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, em solene Celebração Eucarística no Santuário São Judas Tadeu."


+ Tomé


Retiro das Famílias

"A Região Episcopal Ipiranga, através do Setor Família, promoveu nos dias 23, 24 e 25 de setembro o primeiro retiro para famílias, com a coordenação da Pastoral Familiar, sob a dinâmica orientação geral do Pe. Alexandre Ferreira Santos, Assistente Espiritual do Setor Família na REI, neste evento ajudado por outros sacerdotes e casais. O futuro da humanidade passa pela família, Igreja Doméstica, Casa do Amor."

+ Tomé






sexta-feira, 23 de setembro de 2011

O DIA DA BÍBLIA, A PALAVRA DE DEUS.

No Brasil, no último domingo de setembro celebramos o dia da Bíblia, a Palavra de Deus, neste ano no dia 25. A existência deste dia mostra o quanto é longo o caminho a percorrer para que a Palavra Salvadora de Deus chegue a todas as pessoas, famílias, ambientes de trabalhos, escolas e nas mais diversas expressões da sociedade. Propagar a Palavra de Deus é missão dos fiéis batizados, não um ônus, mas uma graça, um bem às pessoas e à humanidade.

O dia da Bíblia é sempre próximo à memória de São Jerônimo, um grande conhecedor e divulgador da Sagrada Escritura. “Ele nasceu na Dalmácia, em Estridão, cerca do ano 340. Estudou em Roma e aí foi batizado. Tendo abraçado a vida ascética, partiu para o Oriente e foi ordenado sacerdote. Regressou a Roma e foi secretário do Papa Dâmaso. Nesta época começou a revisão das traduções latinas da Sagrada Escritura e promoveu a vida monástica. Mais tarde estabeleceu-se em Belém, onde continuou a tomar parte muito ativa nos problemas e necessidades da Igreja. Escreveu muitas obras, principalmente comentários à Sagrada Escritura. Morreu em Belém no ano de 420”.
A nossa aproximação à Bíblia deve ser conduzida pela ação do Espírito Santo. É ele que prepara o nosso entendimento para compreendê-la, o nosso coração para acolhê-la e a nossa vontade a determinar-se a vivê-la, pois se em vida não transformar-se, não cumprirá sua missão de luz para iluminar os nossos passos, permitindo-nos assumir a vida nova, em atitudes, que Jesus Cristo nos oferece pela sua encarnação, vida, morte e ressurreição.
São possíveis muitos modos de aproximação da Palavra de Deus. No entanto, o estudo da Bíblia não deve permanecer na dimensão informativa, de caráter histórico ou movido pela curiosidade. À medida que lemos e compreendemos a Sagrada Escritura ela deve dar forma à nossa vida, isto é, determinar concretamente o viver, dando-lhe novo horizonte e sentido. É preciso deixar que a Palavra de Deus seja Palavra de Deus em sua vida. Acreditar que ela pode mudar a sua vida, como mudou e muda a minha.
A Palavra de Deus é viva e eficaz, mas não é mágica. Ao ser assimilada pelo fiel movido pela fé, ela produz nele, faz acontecer em sua vida, o que ela enuncia. São palavras especiais que nos introduzem no mistério mesmo de Deus, possuindo um poder sobrenatural e transformador capaz de mudar radicalmente a vida do crente, não por seu próprio esforço, mas pela ação mesma de Deus que opera pela sua Palavra. Esta é a permanente novidade da Sagrada Escritura, permitir que a ação salvadora de Deus chegue às pessoas de nosso tempo.
Não devemos temer a Palavra de Deus. Se a acolhemos como pode e deve ser acolhida, só nos proporciona felicidade, aquela que Deus Pai deseja aos que somos, em Jesus Cristo, seus filhos. Ela nos conduz a uma santa aventura, espiritual e existencial, nos permitindo viver do modo como Deus Pai pensou para os seus filhos. Para ajudar neste caminho vale a pena conhecer o método da leitura orante da Bíblia. Procure na igreja mais próxima de você, ou na paróquia que você freqüenta, orientações sobre este método de leitura da Palavra de Deus. E da próxima vez que for oferecer um presente a uma pessoa querida, ofereça uma Bíblia.
+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Auxiliar de São Paulo.

Visita Pastoral Nossa Senhora Aparecida – Vila Arapuá

"Entre os dias 21 e 28 de agosto, Dom Tomé fez a Visita Pastoral, em nome de S. Emcia. Dom Odilo Pedro Scherer, DD. Arcebispo Metropolitano, à Paróquia Nossa Senhora Aparecida, na Vila Arapuá, no Setor Pastoral Anchieta. As fotos mostram alguns momentos desta visita."

















Cruz da Jornada Mundial da Juventude na REI

" A Região Episcopal Ipiranga acolheu na tarde do dia 20 de setembro, no Santuário São Judas Tadeu, Jabaquara, a Cruz de Jesus Cristo e o ícone de Nossa Senhora, presentes do Beato Papa João Paulo II aos jovens, que chegam ao Brasil para o início da preparação para a realização da Jornada Mundial da Juventude com o Papa, no Rio de Janeiro, de 23 a 28 de agosto de 2013."

+ Tomé