sexta-feira, 26 de agosto de 2011

O DIA DOS FIÉIS LEIGOS QUE EXERCEM MINISTÉRIOS NA IGREJA.


No horizonte do mês vocacional, no dia 28 de agosto recordamos os leigos que exercem ministérios na Igreja. A Igreja somos nós os batizados, os que formamos o Povo de Deus, composto de fiéis leigos, fiéis religiosos de vida consagrada e fiéis constituídos ministros ordenados ( os diáconos, sacerdotes e bispos ).

Uma peculiaridade da vida cristã, tal como é compreendida pela Igreja Católica Apostólica Romana, é que ela possui uma dimensão comunitária, devendo ser vivida em comunhão com os que compartilham da mesma fé, o que só é possível graças à ação do Espírito Santo, que é o protagonista da unidade do Povo de Deus.

A vivência da dimensão comunitária da fé cristã requer serviços específicos, que são respostas a dons e carismas que o Espírito Santo suscita nos batizados, como forma de atender às necessidades que surgem ao longo da história. Estes serviços são denominados de ministérios, que para os fiéis leigos podem ser instituídos ou não.

Os ministérios instituídos são provisórios, por tempo determinado, sempre respondendo a um apelo do Bispo, que por sua vez procura suprir uma necessidade emergencial na vida da Igreja. Dentre os mais conhecidos, podemos destacar os Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão, os Ministros Extraordinários do Batismo e as Testemunhas Qualificadas do Matrimônio.

A vida diária da Igreja requer uma serie de outros ministérios não instituídos, como os catequistas (de Primeira Eucaristia, de Crisma, da Iniciação Cristã dos Adultos, etc...), os coordenadores das mais diversas pastorais (por exemplo, da família, vocacional, da juventude, etc...), os assessores dos movimentos ( Renovação Carismática Católica, Focolares, entre outros ) e os coordenadores das associações religiosas ( Apostolado da Oração, Vicentinos, entre tantos outros).

A vida cristã é um modo peculiar de viver no mundo e de participar da construção da história. Por isso, devemos ampliar a compreensão dos ministérios na vida e na missão do Povo de Deus. O sacramento do matrimônio é uma vocação, então a maternidade e a paternidade, enquanto fontes da criação e educação dos filhos, são ministérios; o leigo inserido na construção da sociedade, procurando transforma-la à luz da fé, é também um ministro; o profissional que vive e exerce a sua profissão pautado pela ética cristã, vive ministerialmente.

A compreensão dos ministérios não ordenados e não instituídos é determinante para que o Povo de Deus realize a sua missão de transformar e santificar o mundo e as realidades históricas. A escolha de um fiel para o exercício de um ministério, seja ele ordenado, instituído ou não instituído deve levar em consideração o modo como ele assume a vida cotidiana em espírito de serviço, à luz da fé e como expressão da sua caridade, que originalmente nascem da ação de Deus, como resposta à ação do Espírito Santo recebido no batismo e na crisma. O que somos e fazemos na Igreja é sempre graça e dom de Deus suscitados para o serviço de seu Povo.


+ Tomé Ferreira da Silva

Bispo Auxiliar de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário